Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

As mulheres de Merelim que caíram nas sepulturas

Comunidades de aprendizagem

Ideias

2013-06-10 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes Joaquim da Silva Gomes

Nas diversas freguesias da nossa região têm ocorrido alguns episódios, que de tão caricatos tornam-se imprescindíveis recordar. Um deles ocorreu há exactamente 110 anos, na freguesia de São Paio de Merelim, do concelho de Braga.
Tudo se passou no domingo de Ramos (dia 5 de Abril de 1903), quando muitos fiéis se encontravam no interior do templo religioso que existia nesta freguesia, e que era anterior à actual igreja de S. Paio de Merelim.

Convém referir que, apesar de António Ribeiro Sanches, um notável médico português (1699-1783) que exerceu grande parte da sua actividade na corte imperial da Rússia, ter verificado, após o terrível terramoto de Lisboa de 1755, que eram grandes e muito perigosos para a saúde pública os enterramentos nos templos, o facto é que o nosso país só passou a ter uma tímida legislação sobre os cemitérios com os decretos de 21 de Setembro e 8 de Outubro de 1835, da autoria de Rodrigues da Fonseca Magalhães. Nestes decretos, o autor criticava violentamente os enterramentos nas igrejas, considerando-os próprios de uma “ignorância da Idade Média”.

Apesar disso, a maioria das populações no Minho continuava a enterrar os seus entes no interior das igrejas, tal como sucedia com a igreja de S. Pedro de Merelim.
A igreja desta freguesia era um templo que tinha no seu interior imensas sepulturas. Tratava-se de sepulturas que se encontravam em adiantado estado de degradação, mas como estava a ser construída uma nova igreja na freguesia, os cuidados demonstrados pelas autoridades não foram os mais adequados.

Nesse domingo de Ramos, verificou-se um desabamento de algumas dessas sepulturas, que podiam ter resultado num elevado número de mortos. Com o peso das pessoas que se encontravam no interior da igreja, quatro sepulturas desabaram, criando uma cratera de cerca de quatro metros de profundidade. Nessa cratera, imagine-se, caíram cerca de vinte mulheres, “ficando umas de pé, outras assentadas e outras ainda de cabeça para baixo, gritando desesperadamente por socorro”. (1)

O pânico que se gerou foi de tal ordem, que a confusão foi imediata: os restantes fiéis, preocupados que o templo desabasse por cima das suas cabeças, desataram a correr igreja fora, provocando atropelos e muitos feridos e, inclusive, provocando danos no edifício. Aliás, a “porta principal da egreja, após o incidente, desaprumou, vendo-se uma das padieiras fôra do logar” (1).

No meio deste caos provocado pelas pessoas que fugiam para o exterior, as cerca de vinte mulheres que caíram nas quatro sepulturas tentavam assustadíssimas sair da cratera profunda, com medo que a igreja desabasse e aterrorizadas devido ao local onde se encontravam presas!
Até o pároco da freguesia, reverendo José Marques Coelho, que se encontrava nesse momento a vestir-se na sacristia, saiu para o exterior da igreja, alarmado com tudo o que se estava a passar.
Passados uns minutos, os ânimos começaram a serenar e foi então que vários indivíduos trataram de retirar as senhoras que se encontravam num local que tinham a certeza que iriam um dia parar, mas com certeza nunca imaginariam que lá fossem parar daquela forma.

O episódio das sepulturas que desabaram em S. Pedro de Merelim, freguesia que já pertenceu ao concelho de Prado (extinto em 24 de Outubro de 1855) e que já se chamou Merelim da Ponte ou S. Paio da Ponte, foi mantido no imaginário das pessoas da freguesia durante muito tempo. No entanto, com o passar dos anos, este episódio foi perdendo a sua importância e passado lentamente ao esquecimento.
Quando passam 110 anos deste hilariante episódio, creio ser importante recordá-lo, porque diz respeito à memória das nossas terras e das nossas gentes, que devemos preservar.

1) Jornal “Commercio do Minho”, de 7 de Abril de 1903.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho