Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Aproximar as bibliotecas públicas dos utilizadores

Meio século de liberdade

Aproximar as bibliotecas públicas dos utilizadores

Voz às Bibliotecas

2023-01-05 às 06h00

Rui A. Faria Viana Rui A. Faria Viana

Sendo a leitura um factor de desenvolvimento do cidadão e consequentemente da sociedade, à biblioteca compete-lhe promover os hábitos de leitura na comunidade onde está inserida. A finalidade da biblioteca tem como objectivo aproximar as pessoas do livro e da leitura. Como sabemos, muitas vezes existe a falta de hábito de frequência das bibliotecas e verifica-se pouca afluência às actividades e aos serviços que aqui se desenvolvem. Neste sentido, achamos que se torna necessário reforçar a aproximação da biblioteca à comunidade, criando relações afectivas e desenvolvendo estratégias para seduzir as pessoas a usufruírem dos benefícios advindos de uma biblioteca pública.
O fortalecimento desta aproximação será sempre, no futuro e a longo prazo, para que se consiga suscitar interesse pela leitura e pelas actividades culturais. O trabalho de formação de leitores é extremamente importante, pois, a leitura é um meio indispensável à aquisição de conhecimento e à formação do indivíduo. Nesta aproximação à comunidade, enumeramos aqui, de forma sucinta, alguns aspectos que achamos imprescindíveis e que estão intimamente relacionados com a utilidade dos serviços prestados.
1. Horários adequados. O funcionamento da biblioteca em horário alargado é um aspecto importante para o sucesso dos serviços prestados. A abertura à hora do almoço e depois das 17 horas (diferente do horário de repartição pública que muitas bibliotecas ainda praticam) e a abertura aos sábados, permitem cativar a frequência e a presença de pessoas na biblioteca nas horas que mais lhes convém de acordo com os seus tempos livres e fora das horas habituais de ocupação. A realização de actividades fora de horas como sessões de poesia, clubes de leitura, encontro com escritores e muitas outras, podem também servir de motivação para a comparência de muitas pessoas que durante o horário habitual de abertura ao público estejam impedidas devido às suas tarefas diárias.
2. Colecções actualizadas. Aquisições recentes para manter o fundo bibliográfico actualizado e, sempre que possível, em concordância com as sugestões feitas pelos utilizadores e de acordo com os seus interesses. Quando um livro recente é procurado e não chega à biblioteca, e isto acontece por diversas vezes, o utilizador já sabe que não vale a pena aí deslocar-se, pois, não o vai encontrar. Também, se a biblioteca não tem capacidade para satisfazer o pedido de aquisição de determinada publicação sugerida por um utilizador, a utilidade do serviço prestado é posta em causa.
3. Serviços online. Hoje em dia, a prestação de serviços online é uma mais valia importante na aproximação da biblioteca aos seus utilizadores. A consulta do catálogo, a pré-inscrição, a renovação do empréstimo, a reserva de publicações, a consulta de publicações como periódicos locais e outros, sem ser necessária uma deslocação ao espaço físico da biblioteca, são serviços de enorme utilidade e muito apreciados pelos utilizadores.
4. Espaços atractivos e funcionais. As bibliotecas devem igualmente dispor de instalações que proporcionem aos seus utilizadores espaços agradáveis, atractivos e funcionais. O facto de serem instalações acolhedoras e de possibilitarem o bem-estar a todos os que a visitam é um passo importante à frequência e até à permanência no seu interior.
5. Actividades dirigidas aos interesses dos utilizadores. Envolver a comunidade nas actividades que a biblioteca organiza nem sempre é uma tarefa fácil. No entanto, deve haver por parte dos responsáveis a preocupação em criar estratégias diferentes em função da faixa etária de cada público, de acordo com as idades das crianças, jovens, adultos e seniores.
6. Biblioteca fora de portas. A promoção de actividades fora das quatro paredes da biblioteca pode também ser uma estratégia interessante para dar a conhecer o que habitualmente se realiza e, ao mesmo tempo, satisfazer públicos/utilizadores de outras instituições, nomeadamente, de escolas, hospitais, estabelecimentos prisionais, lares de idosos, centros sociais, etc.
7. Pólos de leitura. Levar o livro de modo a possibilitar a leitura a utilizadores com dificuldade em visitar os serviços centrais, é, no nosso entender, outra estratégia que permite uma aproximação da biblioteca e do serviço de empréstimo. Para isso, podem contribuir as bibliotecas itinerantes e a criação de pólos de leitura renováveis em cafés, cabeleireiros, associações, fábricas e em muitos outros sítios.
Devemos ter em atenção que só a longo prazo se obtêm os resultados que procuramos. O gosto pela leitura não é imediato. Surge de uma vontade que se desperta e se vai construindo. O incentivo é a melhor prática.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Bibliotecas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho