Correio do Minho

Braga, quinta-feira

António Maria Pinheiro: primeiro reitor do Liceu de Braga

Aprender a viver sustentavelmente com o Programa Eco Escolas

Ideias

2011-10-17 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes

Assinalam-se, no próximo dia 17 de Novembro, os 175 anos do primeiro liceu de Braga (actualmente Escola Secundária de Sá de Miranda).
Neste contexto, creio ser oportuno lembrar aqui o seu primeiro reitor, António Maria Pinheiro, que exerceu o cargo durante uns longos 25 anos!

António Maria Pinheiro nasceu em Landim, V. N. de Famalicão, em 1796. Era filho de Francisco José Martins da Silva Pinheiro (importante proprietário da freguesia de Sequeira - Braga) e de Rosa Maria Dantas Moreira (da freguesia de Landim). Casou com Ana Joaquina das Dores de Souza Tôrres e Almeida (filha do conceituado negociante bracarense João José de Almeida Guimarães, natural de S. Vicente do Bico, Amares). Do seu casamento com António Maria Pinheiro nasceu uma das mais notáveis famílias portuguesas, a família “Pinheiro Torres”.

Formado em Medicina, pela Universidade de Coimbra, que exerceu com alta dignidade e saber, foi um católico exemplar, face ao agnosticismo reinante. António Maria Pinheiro viria a desempenhar um importante papel no sistema educativo português, uma vez que foi o primeiro reitor do Liceu de Braga, na sequência da reforma introduzida no ensino em Portugal, por Passos Manuel, que, através do decreto de 17 de Novembro de 1836, determinava a criação de um liceu em cada capital de distrito.

O cargo de reitor do Liceu de Braga foi um cargo de grande notoriedade. Isto porque ao Liceu de Braga chegavam jovens estudantes vindos de toda a região norte do país.
Então, tal como agora, as dificuldades económicas do país faziam-se sentir, como se verificou em relação à instalação do Liceu Nacional de Braga.

Durante cerca de quatro anos sentiram-se muitas dificuldades para a sua criação, porque os edifícios à disposição eram muito escassos e com poucas condições. Só no ano lectivo de 1840-1841 é que as aulas neste liceu acabariam por se iniciar, e só depois do Arcebispo de Braga, D. Pedro Paulo de Figueiredo (mais tarde nomeado Cardeal pelo Papa Pio IX) ter facultado uma parte das instalações do Seminário de S. Pedro, situado no Campo da Vinha.

Durante este período não foi nomeado reitor do Liceu de Braga. Contudo, a própria Rainha D. Maria II continuava a enveredar esforços no sentido de encontrar instalações condignas para o Liceu de Braga. Através da “carta de lei de 13 de Julho de 1841 foi destinado o convento da extinta congregação do Oratório” (1) para aí estabelecer o Liceu Nacional de Braga e ainda a Biblioteca Pública.

Em 1845 o Liceu Nacional de Braga foi fixado na Congregação do Oratório, um edifício anexo à Igreja dos Congregados (Avenida Central) tendo António Maria Pinheiro sido nomeado para estas funções através da carta do dia 14 de Julho de 1845.
O primeiro Conselho Escolar do Liceu de Braga reuniu pela primeira vez em 27 de Setembro de 1845, pelas 11 h. da manhã, e produziu uma acta na qual solicitavam, entre outros, cadeiras que ainda faltavam para preencher o quadro do Liceu; a aquisição de compêndios de Psicologia e de Metafísica e colocar a concurso o cargo de porteiro do Liceu.

Apesar do empenho do seu rei-tor, o Liceu de Braga apresentava condições muito deficitárias: apenas existiam três degradadas salas de aulas, sem vidros; um gabinete do reitor e uma pequena secretaria; o sistema de toque das campainhas não existia e para minimizar esse problema foi decidido, ainda nesse mês de Outubro de 1845 (dia 23), comprar cinco campainhas com as quais se percorria o Liceu, para assinalar o início e o final das aulas. Uma vez que não existia um sistema de fornecimento de água, foi decidido ainda comprar um cântaro e três copos.

O mandato de António Maria Pinheiro ficou marcado por alguns acontecimentos marcantes na história portuguesa, como o que ocorreu entre em 1846 e 1847, com a ocupação do liceu por forças militares, que tentavam impor a ordem social criada pela revolta da “Maria da Fonte” e consequente agitação popular, ou ainda a que ocorreu em Junho de 1862, quando o Governador Civil de Braga solicitou ao reitor do Liceu que autorizasse o aquartelamento de alguns oficiais que se haviam deslocado a Braga.

Para além de reitor do Liceu de Braga, que exerceu até aos 74 anos de idade António Maria Pinheiro exerceu as funções de Procurador à Junta Geral do Distrito de Braga, em 1843, e teve ainda uma pequena incursão pela política, candidatando-se às eleições nacionais de 1871.
António Maria Pinheiro faleceu em 1872. Tinha 76 anos de idade.

1) ‘Origens e Evolução do Liceu Nacional de Braga’ - Franquelim Neiva Soares

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

24 Janeiro 2019

2019 é ano de decisões

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.