Correio do Minho

Braga,

- +

“Ampliar” as liberdades de Abril

A manifestação dos esfomeados em Braga

“Ampliar” as liberdades de Abril

Escreve quem sabe

2022-05-03 às 06h00

Margarida Pereira Margarida Pereira

Terminamos agora o mês de Abril, que é como quem diz o mês da Liberdade! São 48 anos onde, diariamente, são celebradas as conquistas do 25 de Abril, data que não poderá ser esquecida por todos os portugueses.
É menos de meio século que nos separa de um governo ditatorial. São, ainda, muitos aqueles que viveram esses tempos na primeira pessoa e relatam as suas memórias com a emoção de quem sabe o que é viver privado de liberdade. No entanto, um estudo feito recentemente vem mostrar que quem nasceu depois da revolução de 1974, atribui um maior significado ao 25 de Abril, considerando-o com muita importância para a sociedade portuguesa.
Se pensarmos no que a Revolução dos Cravos trouxe para a sociedade dos dias de hoje, todos recordamos o direito ao voto. Vivemos num regime democrático que deu liberdade para que todos os cidadãos maiores de idade possam votar e, em conjunto, escolher quem serão os representantes políticos do país. Não temos dúvidas de que o direito ao voto é uma das grandes conquistas do 25 de Abril, mas, com o novo regime, chegaram também novos direitos.
A liberdade de expressão é, também, uma das grandes conquistas de Abril. Antes de 1974 todos os cidadãos eram levados a pensar da mesma forma, não sendo permitido que existissem opositores ao regime. Músicas, artigos, poemas, tudo era revisto e, se necessário, censurado pela PIDE. Existiam, um pouco por toda a parte, informadores secretos para denunciar todos aqueles que se expressassem contra os ideais vividos na época. Hoje, cada um é livre de ouvir as músicas preferidas e ler os livros com que mais se identifica e, acima de tudo, de escrever e defender aquilo em que acredita.
Se hoje apelamos a uma cidadania ativa, com uma vida política participativa é porque a revolução assim o permitiu. Viver em democracia é isso mesmo, poder eleger, mas também poder participar.
Em Braga, felizmente, há quem se importe e queira participar na vida política da cidade. Se existe um grupo de cidadãos que criou a Associação Amigos das Convertidas, que tem como objetivo proteger e preservar aquele Imóvel de Interesse Público, existe também quem tenha criado a plataforma Salvar a Fábrica Confiança para defender e preservar o que resta da memória industrial da cidade. Muitos outros movimentos foram criados na cidade, tornando a participação no quotidiano político de Braga cada vez maior. Para a JovemCoop é fundamental que existam estes movimentos, pois é desta forma que verdadeiramente se faz política, isto é, as opções para a cidade.
Nos dias de hoje, em que todos vivemos em democracia, é essencial ouvir os cidadãos e incluí-los no futuro da cidade. Recentemente, vimos mais um projeto na cidade de Braga a ir para os tribunais, porque um grupo de cidadãos se recusa a aceitar aquilo que o Município decidiu. Falamos da Requalificação e Ampliação do Pavilhão das Goladas.
Estando o pavilhão inserido numa zona residencial, seria de esperar que o Município, ao idealizar o projeto, pensasse nos interesses de quem por lá habita. No entanto, se porventura não o considerou, nas sessões de esclarecimento do projeto poderia ter auscultado a população presente e ponderar alguns pontos. Todos sabemos que o Pavilhão das Goladas necessita de uma intervenção, no entanto, antes de realizar o projeto, deveriam ter sido ouvidas todas as partes e perceber qual seria a melhor solução para todos. Afinal, vivemos em democracia e a comunicação é uma das nossas grandes conquistas. Reduzir o pouco espaço verde existente naquela área, aumentando a construção atual do edifício poderá parecer a solução mais fácil, mas está longe de ser a ideal. Desta forma, achamos que antes de se avançar com um investimento de cerca de 1,6 milhões de euros, o Município deverá ouvir todas as partes afetadas por esta intervenção, não só o grupo desportivo, mas também o grupo de moradores, que vem demonstrando o seu desagrado pelo projeto atual. Somente após esta reunião seria possível perceber que alterações deveriam ser feitas e de que forma, para que o projeto fosse ao encontro de todos.
Por isso, não se entende como se tenta reduzir a participação dos cidadãos a um ineficaz Orçamento Participativo, quando a verdadeira opção deveria ser o incentivar da participação das pessoas nas opções da comunidade. Dá trabalho? Claro! Mas o resultado final será uma comunidade muito mais comprometida e coesa.
Usemos tudo aquilo que Abril nos deu de bom para sermos uma sociedade participativa e, acima de tudo, democrática, que se deixa ouvir pelos cidadãos.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

05 Fevereiro 2023

Lógica ou acaso

04 Fevereiro 2023

Anti-Inteligência Artificial

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho