Correio do Minho

Braga, sábado

- +

A Pousada da Juventude de Braga, pela concretização de um sonho

Assim-assim, ou assim, sim?

Ideias

2016-12-18 às 06h00

Manuel Barros Manuel Barros

A construção da Pousada da Juventude de Braga é um sonho com cerca de trinta anos. Uma página da sua história, que começou a ser escrita no protocolo que vai envolver o Município de Braga, Ricardo Rio, o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Augusto Baganha, a Movijovem, Ricardo Araújo, e a Invest Braga, Humberto Carlos, homologada pelo Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo. Um sonho que se vai tornar realidade em 2018, através da requalificação das instalações do IPDJ.

Um evento marcado pelo simbolismo do encerramento da programação da BRAGA’16, Capital Ibero-Americana da Juventude. Uma forma feliz de terminar uma dinâmica construída por um universo alargado de parceiros que envolveu a cidade, a região e o país, que contou constantemente, com a presença dos países que integram a Organização Ibero-Americana de Juventude (OIJ), fundada em 1996 em Buenos Aires. Uma programação que confirmou o dinamismo em matéria de políticas de juventude, a par da pujança do tecido associativo juvenil e da vontade política da Câmara Municipal, com mérito reconhecido pelo Ministro da Educação na cerimónia de encerramento.

Começou por ser um ato de justiça para o país, pela forma como tem investido ao longo destas três décadas na consolidação de uma política integrada para a juventude. Agora temos o resultado. Um resultado que passa pelas dinâmicas culturais e sociais, e pelas obras e infraestruturas que se vão construindo para responder às exigências futuras, de que a Pousada da Juventude de Braga, será com toda a certeza um excelente exemplo. Uma necessidade antiga, que passou ao lado de muitas dinâmicas de modernidade que, entretanto se foram concretizando na região e no país.

Dinâmicas que remontam ao ano internacional da juventude, de que resultaram a criação da Secretaria de Estado da Juventude, junto da Presidência do Conselho de Ministros em 1985, com o X Governo Constitucional. Uma aposta de grande importância na estrutura orgânica do governo que permitiu a implementação de uma política de Juventude global e integrada, na altura em que Portugal se confrontava com a oportunidade e o desafio de adesão à CEE - Comunidade Económica Europeia.

Uma vontade política centrada na valorização do papel dos jovens na sociedade portuguesa que acompanhou as dinâmicas de desenvolvimento social, económico e cultural e atravessaram, transversalmente a diversidade dos tempos e espaços sociológicos, demográficos e históricos. Um processo que foi assumindo uma intensidade variável ao longo dos anos, em que Portugal como um dos países mais jovens da Europa, se foi transformando de forma acelerada num país envelhecido, onde Braga foi resistindo e mantendo a sua condição de cidade da juventude.

Neste contexto, foi em Braga que se iniciou um programa nacional de investimento em infraestruturas, com a reconstrução das instalações da Delegação Regional, que se expandiu à Pousada de Juventude em Vilarinho das Furnas, Esposende (Foz do Cávado) e, mais tarde, à construção da Pousada de Guimarães, aliado a um programa de construção e remodelação das instalações das associações juvenis em todo o distrito, que se mantém atualmente. Ficando por cumprir a construção de uma nova Pousada de Juventude em Braga, que vai ser concretizada através da requalificação do edifício da Rua de Santa Margarida.

Um espaço, que condensa uma história escrita por muitas gerações de jovens, desde a sua construção no antigo regime, como escola primária e, mais tarde sede da “mocidade portuguesa”. Foi adaptado depois do 25 de abril, para instalar a Delegação Regional do Fundo de Apoio aos Organismos Juvenis (FAOJ) e uma das primeiras Pousadas da Juventude do país. Foi sendo remodelado em função das necessidades do Instituto da Juventude (IJ), do Instituto Português da Juventude (IPJ), da Agência Nacional do Programa Europeu “Juventude em Ação” Erasmus + e, atualmente, o serviço distrital do Instituto Português da Juventude (IPDJ).

A aposta nas políticas de juventude, onde Portugal foi pioneiro e desempenhou mesmo uma dinâmica de liderança na década de 80, foi determinante na criação dos mecanismos, das medidas dos programas e sobretudo as oportunidades. Decisões que foram tomadas em função do os sinais disponibilizados, pelos estudos de investigação levados a efeito pelo Observatório Permanente da Juventude Portuguesa, criado pela Secretaria de Estado da Juventude em protocolo com o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Uma estrutura que continua em atividade e, nesta linha, sob a coordenação do Professor José Machado Pais desenvolveu um estudo sobre “Os Jovens Portugueses no Contexto Ibero - América”, com base num inquérito implementado em 2013. Um trabalho de investigação centrado nas atitudes e dos valores dos jovens portugueses, tomando por termo de comparação os jovens do espaço Ibero-Americana. Uma obra apresentada pelo investigador, na cerimónia que decorreu na Sala do Capítulo do Mosteiro de Tibães, onde foram reafirmadas as tendências e as preocupações dos jovens portugueses, revelando que os jovens estão apreensivos em relação ao emprego, descrentes em relação às instituições políticas, estando os jovens portuguese, neste âmbito, pouco otimistas apesar de acreditarem num futuro melhor.

Apesar de o “Pacto para a Juventude” aprovado pelos Chefes de Estado e de Governo na cimeira realizada na Colômbia, ser o maior legado da missão da Cidade de Braga como Capital Ibero-Americana, a Pousada da Juventude de Braga tem uma relação de causalidade material com os seus objetivos, e vai ser um testemunho vivo dos eixos de ação, do plano que suportou a intensa programação, realizada ao longo do ano. Um ponto de encontro de jovens com voz, potenciador de riqueza criada com base nas relações interculturais de uma comunidade de 150 milhões de jovens, proporcionando um conhecimento mais profundo dos países que integram esta comunidade política, em prol da implementação de novas políticas públicas para a juventude.

A construção desta infraestrutura é m sonho tornado realidade. Um sonho bloqueado por alguns episódios e atos falhados, que dificultaram a mobilidade e o turismo juvenil durante muitos anos. Impossibilitando a colocação de Braga na rota dos destinos mais procurados pelos jovens portugueses e estrangeiros, pela atratividade do seu património e pela dinâmica das Universidades, das empresas e da oferta cultural, gastronómica e ambiental. Motivo de felicidade e orgulho para as organizações de juventude da região e dos profissionais, que têm dedicado a vida ao serviço da juventude.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.