Correio do Minho

Braga, quarta-feira

A nau dos loucos

Por mais cultura do treino e treino baseado na ciência

Ideias

2013-05-06 às 06h00

Artur Coimbra

1. Este governo não pára de massacrar os portugueses. Já é sadismo. Apaixonado e reiterado culto da austeridade. Neste caso, os exclusivos suspeitos são os do costume: os funcionários públicos e os aposentados. Na obtusa óptica governamental, eles são os culpados pela situação a que o país chegou. Foram eles que desencadearam a crise, há cinco anos, por pura especulação financeira. Foram eles que firmaram os ruinosos negócios das PPP, como todos sabemos. São eles que ganham 1 milhão de euros por ano, como o insuportável consultor do governo e explorador da EDP, António Mexia. Logo, é justo que “paguem a crise”.
Passos Coelho, que para anjo só lhe faltam asas, limitou-se, esta sexta-feira, com voz grossa, decidida e executiva, a informar os portugueses que tem de saquear 4,8 mil milhões de euros para dar aos seus amigos da tróica, de que ele não passa de subserviente feitor em Lisboa. Acenou os habituais fantasmas, fez chantagem inqualificável para amedrontar os portugueses, que ou aceitam a miséria ou vem aí a bancarrota. Simplesmente, indigente!
São 30 mil funcionários públicos que vão para a rua, na gaspariana e patética perspectiva de que “é possível fazer mais com menos”; é o aumento do horário de trabalho no Estado para as 40 horas, para que os serviços possam ter tempo de abrir as portas ao comércio que já não existe; é o aumento dos descontos para a ADSE em mais 0,75%, para solidificar a saúde dos prestadores públicos; é o aumento da idade de reforma para os 66 anos, como forma de levar a terceira idade aos serviços públicos, servindo mais eficazmente os utentes, pela experiência e reumatismo acumulados e, bem assim, evitar que aqueles sejam infestados por sangue jovem e inconformado; enfim, é a revisão anunciada da tabela remuneratória da função pública, que significa um abaixamento do vencimento dos funcionários públicos (a somar aos cortes que já duram há três anos, ao congelamento das progressões e ao aumento do horário de trabalho) como factor de elevado cariz motivacional, inspirada no consagrado “embaixador” do governo para a imbecilidade, de nome Miguel Gonçalves. Para os aposentados vem mais um escondido imposto, embrulhado com a lengalenga da “sustentabilidade”.
Mas, como se referiu, os funcionários públicos e os aposentados devem pagar com língua de palmo os desmandos deste país nestes últimos anos. Por uma outra razão: também contribuíram para colocar no governo quem lá esteve e quem lá está. Então, que paguem o devido estipêndio!
Chamam a esta pilhagem a sectores específicos da sociedade portuguesa “reforma do Estado”. Já a baptizaram como “refundação”, mas como ninguém acreditou, nem acredita, que estejamos a falar do que não estamos a falar, a coisa foi abandonada à sua sorte. A coisa, não o saque.
Espera-se que o Tribunal Constitucional, o último baluarte da defesa da legalidade neste país, já que ninguém espera nada de uma múmia que habita, estoicamente, o Palácio de Belém, continue a salvaguardar a Constituição e a justiça social, face a um governo fora de lei, anticonstitucional e que nutre um criminoso ódio visceral a rudo o que é público, seja em que área for, porque interessa desmantelar o sector estatal, para o dar de mão beijada aos privados.
Os cortes brutais na saúde e na educação têm essa matriz ideológica absolutamente explícita!

2. É claro que o inefável Passos Coelho, na sua estratégia buldózer sobre tudo o que mexe e que possa render uns patacos, não conseguiu, em meia hora, uns segundos para amenizar o desconforto dos desempregados e o aumento brutal que se espera do desemprego. Nem teve uma mínima palavra de gratidão para os portugueses, trabalhadores e aposentados, vítimas nos dois últimos anos de uma desumana asfixia financeira, de um ataque bárbaro aos seus bolsos, pelos salteadores legalizados por eleições.
Nem uma palavra ou uma medida que afectem ou ponham em causa as verdadeiras sanguessugas do Estado. Nada sobre a renegociação das PPP, as rendas excessivas da energia, que continuam intocadas, os benefícios fiscais de grandes empresas e da banca, que se mantêm inalterados. Nada sobre a urgente diminuição do número de deputados e dos “boys” (que agora se chamam “especialistas” e auferem 4-5 mil euros por mês) nos gabinetes ministeriais. Uma vergonha nacional!
Este governo continua a ser excessivamente forte com os fracos e submissamente fraco com os fortes, sejam as grandes empresas, o sector financeiro ou da construção civil, sejam os engravatados do FMI, BCE e CE.
Para os trabalhadores, acabaram-se os “direitos adquiridos”, mesmo que a meio do contrato. Já não têm direito à totalidade do seu salário, nem à perspectiva das férias, nem à reforma na idade que estava estipulada. Para os trabalhadores, os contratos podem alterar-se com uma simples decisão do Conselho de Ministros. Para os grandes interesses económicos e financeiros, que envolvem milhões ou biliões, os contratos estão blindados a qualquer alteração!...
Estamos conversados. Miseravelmente conversados!

3. É claro, para qualquer merceeiro, que as medidas anunciadas terão como efeito aumentar a quebra de consumo e a recessão, com o consequente aumento das falências e do desemprego. Se as famílias não tiverem rendimento adequado, são afectados não só o comércio e serviços, mas também a indústria e todas as actividades económicas.
Por isso, com tantos rendimentos retirados às famílias, é anedótico que o governo prometa para 2014 um aumento de 0,6% do consumo privado. Mas esta previsão vale o que valem todas as projecções do ministro Gaspar, que não acerta com um mero dardo num corpulento elefante. O que significa que a recessão e a austeridade vão continuar, sem abrandar em 2015, curiosamente o ano em que, se não for antes, nos livraremos, finalmente, de quem está a destruir ideológica e impenitentemente este país de nove séculos.
Até lá, reina uma absoluta demência, vinda da nau dos loucos, de quem já estamos fartos até aos cabelos.
Termino com uma citação da insuspeita Manuela Ferreira Leite, ex-líder do PSD: 'Não estou nada convencida de que seja exequível aquilo que estão a dizer que vão fazer. Podem anunciar, podem amedrontar, podem criar ainda mais espírito de recessão, podem afundar psicologicamente as pessoas, mas resultados não vão ter nenhuns”. Eu não diria melhor!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

22 Novembro 2018

‘Brexit’ e populismo...

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.