Correio do Minho

Braga,

A importância do programa Horizonte 2020

O silêncio não erra

Ideias

2019-04-18 às 06h00

Alzira Costa

Na semana passada, o mundo assistiu a uma espantosa e importantíssima revelação, que vem confirmar parte da Teoria da Relatividade, elaborada por Albert Einstein. Dizemos confirmação, porque já o famoso físico Albert Einstein havia teorizado sobre esta matéria afirmando que “há regiões no Universo que distorcem o tempo e o espaço porque são de tal maneira densos que nada, nem mesmo a luz, lhes consegue escapar”. Desta forma, Albert Einstein referia-se na sua obra à existência de massas designadas por buracos negros. Esta ideia de Albert Einstein passou do plano teórico para a realidade após a captura de uma imagem de um buraco negro que dista da Terra cerca de 55 milhões de anos luz (isto é, demoraríamos cerca de 55 milhões de anos se viajássemos a uma velocidade constante similar à velocidade da luz).
A confirmação das ideias do físico norte-americano é o resultado final de um trabalho de investigação desenvolvido em cooperação por várias equipas a nível mundial. Durante este tempo, oito telescópios ao redor do mundo centravam as suas atenções em duas regiões do espaço (centro da Via Láctea e centro da galáxia M87) para fotografar a radiação proveniente dos gases que circulam em volta do buraco negro. O projeto denominado por “Event Horizon Telescope” durou mais de treze anos a ser realizado e seria impossível chegar à confirmação das conclusões de Einstein se não houvesse um financiamento europeu para este projeto. Este resultado demonstra a clara aposta da União Europeia (UE) na inovação e investigação – uma das principais prioridades da Comissão Europeia para este mandato, que se encontra na alçada do português Carlos Moedas (Comissário Europeu para a Inovação, Investigação & Ciência). Para este projeto em concreto, a UE atribuiu mais de 44 milhões de euros, através do programa financeiro Horizonte 2020, e ainda construiu a rede de oito radiotelescópios espalhados pelo mundo, de acordo com o Comissário Carlos Moedas no momento da divulgação da imagem.
Importa referir que o programa Horizonte 2020 é o principal instrumento financeiro relacionado com estas áreas de investigação e inovação. Este representa o maior programa-quadro alguma vez criado pela UE, com um orçamento que atinge os 80 mil milhões de euros para o período entre 2014 e 2020, e é uma peça-chave para a estratégia Europa 2020 que visa garantir um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo. É através deste programa-quadro que as instituições do ensino superior, centros de investigação, e as suas respetivas equipas obtêm a capacidade e as condições de atingir resultados inéditos e vanguardistas, que poderão, a curto ou longo prazo, influenciar o quotidiano do cidadão pela positiva. O Horizonte 2020 é composto por três Pilares programáticos com âmbitos diferentes, que buscam encontrar alguma Excelência Científica, Liderança Industrial e Desafios Sociais.
A título de exemplo, a região do Minho tem recebido vários fundos provenientes do Horizonte 2020 através de projetos de investigação e inovação vanguardistas, designadamente do Centro Ibérico de Nanotecnologia e da Universidade do Minho. Não obstante, empresas estabelecidas na nossa região também receberam fundos comunitários provenientes deste programa devido à relevância das suas ideias, como é o caso da FuncionalST ou da IMPROVEAT LDA.
Para o próximo programa-quadro (2021-2027) está previsto que a área da Ciência, inovação e investigação receba perto de 100 mil milhões de euros, o que perfaz um aumento do financiamento europeu de mais de 20 mil milhões de euros face ao atual programa-quadro. O mundo globalizado e cada vez mais competitivo em que vivemos exige uma aposta vincada por parte da UE para que continue a ser líder e vanguardista nos setores da inovação e investigação. Para além deste fundo comunitário está previsto um Conselho Europeu para a Inovação, que permitirá apoiar equipas de investigação & inovação com elevada potencialidade, funcionando numa espécie de networking pan-europeu entre as mais talentosas personalidades de cada estado-membro.
Com apenas 7% da população mundial, a Europa é responsável por 20% do investimento mundial em Inovação e Investigação. Para além de produzir um terço das publicações científicas de elevada qualidade, detém uma posição de liderança mundial em setores industriais como os produtos farmacêuticos, os produtos químicos, a engenharia mecânica e a moda. Foi graças ao programa Horizonte 2020 que se tornou possível a criação de baterias de longa duração ou a criação de novos métodos para tratamento de doenças como o cancro. E é este o principal propósito do Horizonte 2020: trazer uma melhor qualidade de vida a todos os cidadãos.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.