Correio do Minho

Braga, terça-feira

A importância dos projetos transnacionais!

O conceito de Natal

Voz às Escolas

2016-04-04 às 06h00

Maria da Graça Moura

Há vários anos que o Agrupamento de Escolas André Soares desenvolve projetos de âmbito nacional e internacional, não só na ótica de prestar um serviço local de educação cooperante, mas valorizando uma visão mais alargada dos sentidos da educação no século XXI, perspetivada pela estratégia Europa 2020.

Escolas de muitos países já tiveram representantes seus em Braga (Portugal), partilhando experiências, recursos, estratégias e materiais. Desde os alunos da República Checa, aos alunos da Finlândia, do País de Gales, de professores de França, Roménia, Hungria, Turquia, Itália, Espanha, Reino Unido, Grécia, Chipre, Holanda, Polónia, Finlândia a Malta e Sicília, todos passaram pelas escolas deste Agrupamento, sob pretexto de perceberem as nossas políticas educativas, o nosso contexto socio-histórico, o nosso modelo organizacional.

Conhecer a nossa cidade, o nosso património, os nossos usos, costumes e tradições culturais. A nós, enquanto Agrupamento anfitrião destes países, compete-nos criar as melhores estratégias para facilitar a comunicação, considerando a sua diversidade cultural e linguística. E, ainda, de promover o turismo, não deixando ninguém indiferente à beleza das paisagens, monumentos e costumes nacionais e ao sabor da nossa gastronomia.

Uma das grandes motivações para o envolvimento dos alunos nestes programas prende-se com a oportunidade de potenciarem a sua formação europeia e de identificarem e superarem necessidades de formação pessoal.
O Programa Erasmus+ contribui para internacionalizar as escolas, ao abrir portas a instituições escolares de países diferentes que, numa lógica de parceria cooperante, desejem criar e partilhar projetos educacionais que contribuam para fomentar a mobilidade dos estudantes e para promover a valorização das culturas e das línguas europeias.

O impacto dos projetos europeus na comunidade escolar e na vida dos alunos é considerável. Sensibiliza e desafia a desenvolver atividades sociais, intelectuais, manuais, estéticas e artísticas. Todo o processo é motivador, exigindo dos alunos o domínio das novas tecnologias de informação e de comunicação, para além de lhes proporcionar um sentimento de orgulho local e europeu e de lhes permitir o alargamento de horizontes, aprendendo a ser cidadãos do mundo.

É interessante observar a forma como os alunos vivenciam estas experiências e o modo como desenvolvem a sua capacidade de utilização das informações e do conhecimento, como estimulam o pensamento crítico, como se comprometem com novas ideias e desenvolvem o poder de iniciativa, a autoconfiança e o sentido de responsabilidade.

Se é verdade que os programas internacionais, e outros projetos transfronteiriços, visam melhorar a qualidade e reforçar a dimensão europeia da educação, não é menos verdade que ajudam os alunos a adquirir as aptidões e as competências básicas de vida, necessárias ao seu desenvolvimento pessoal, à sua futura vida profissional, numa perspetiva de cidadania ativa.
O trabalho com projetos gera a atividade coletiva e cooperativa, permitindo a vivência de múltiplas relações e interações. A avaliação em todos os projetos do Agrupamento é muito positiva e enriquecedora, concretizando o uso do fazer pedagógico para ampliar habilidades e capacidades humanas.

Dimensionar o currículo escolar por projetos de trabalho significa uma rutura com o modelo fragmentado de educação, uma aposta enriquecedora, um desafio!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.