Correio do Minho

Braga, terça-feira

A importância de Votar

Obrigado, Pedro Passos Coelho

Escreve quem sabe

2017-09-19 às 06h00

Margarida Pereira

Vivemos em tempos de campanha eleitoral, tempos esses de grande azáfama política gerada por todos os partidos, que pretendem distinguir-se, nesta corrida pelas autárquicas. Neste período, todos os partidos políticos querem expressar-se nos debates, espalham cartazes por toda a cidade, chegam até pela caixa do correio, nunca esquecendo, claro, o poder dos media que nos dão a conhecer as propostas dos candidatos. Arriscamos dizer que os períodos de campanha eleitoral não passam indiferentes no nosso quotidiano, falando-se de política, falando-se de votos, mesmo que na realidade, terminada a campanha, fiquemos alheios a tudo isso.

É nesta última parte que acreditamos estar o problema. Fora o período de campanha, há um distanciamento entre os cidadãos e a política que não deveria existir. Afinal, se pensarmos nas últimas eleições autárquicas, em 2013, a taxa de abstenção rondou os 47%, a mais alta desde as primeiras eleições. Não deveria ser criada, quase nesse imediato, uma união de forças partidárias cujo objetivo fosse exclusivamente combater a abstenção?
Talvez haja uma preocupação centrada na autopromoção de cada um, em vez se de promover política, de se promover o voto, seja ele qual for.

Será que é transmitida a importância de ir votar?
Não deveriam os nossos agentes políticos, acima de tudo, ter o papel de consciencializar para a responsabilidade cívica que é votar?
Na opinião da JovemCoop é fundamental apostar num processo de consciencialização do que é o direito de votar.
Hoje, a maioridade dá-nos o direito de votarmos em todas as eleições existentes no nosso país, no entanto nem sempre foi assim, apenas depois do 25 de Abril de 1974 é que o direito ao voto se tornou como hoje o conhecemos, universal.

Durante o início do século XX, o voto era apenas concedido aos homens, chefes de família. Só em 1931 é que o voto é concedido a algumas mulheres (dizemos algumas pois existiam muitas limitações legais que inibiam grande parte da população de votar), e só em 1933 é que o voto é aberto às mulheres solteiras.
Já imaginou, cara leitora, não poder dirigir-se às urnas, no dia 1 de Outubro apenas porque nasceu mulher?
Ou por não ser casada?

Só na segunda metade do século, em 1968, existiu o direito de votar sem qualquer discriminação em função do género, sendo impossibilitado aos cidadãos que não soubessem ler. Em suma, foram precisos muitos anos, mais de meio século, e uma revolução para que todos os cidadãos portugueses tivessem o igual direito de votar, sem qualquer discriminação. Por esse motivo, e de forma a honrar todos aqueles que lutaram pela igualdade, parece-nos fundamental não esquecermos a nossa identidade, a nossa história e votarmos em todas as eleições. Não falamos apenas das autárquicas que se avizinham, mas em todas as eleições que ocorram no nosso país.

Votar é um direito, é certo que todos temos a liberdade de escolher exercê-lo ou não, mas será que quando optamos por não o fazer estamos verdadeiramente conscientes daquilo do que abdicamos? Ao escolhermos não votar, devemos estar todos conscientes de que o nosso voto é a nossa forma de nos expressarmos sobre os futuros governantes do nosso país, da nossa câmara e da nossa junta de freguesia, e que estamos a inibirmo-nos de dar essa opinião.

Não colocamos em questão a escolha sobre quem votar, mas sim na necessidade de inverter a abstenção. Apenas pretendemos refletir sobre o afastamento dos cidadãos das urnas, um afastamento que não honra nenhum país, pois só mostra que alguma coisa estará errada. Por isso acreditamos que é urgente consciencializar a população para a importância do voto, e que esse trabalho não pode ser feito apenas em época de campanha, ou seja, em vésperas de eleições.
Deixamos esta reflexão esperando, encontra-lo, a si, caro leitor, nas próximas eleições dia 1 de outubro. Seja qual for a sua escolha, VOTE!

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

20 Fevereiro 2018

Amor Patológico

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.