Correio do Minho

Braga, sábado

2014 - um vendaval social que merece reflexão!

Escrever e falar bem Português

Voz às Escolas

2014-12-29 às 06h00

Maria da Graça Moura

Chegamos ao final de mais um ano. Difícil, duro e carregado de acontecimentos marcantes: ao nível económico, político, social e educativo. Muitas são as questões sociais, exclusão, miséria, desemprego, violência, injustiça, solidão, criminalidade, corrupção, impunidade, intolerância, para as quais não se vislumbram soluções, sem a refundação de uma ordem sólida de valores morais, sociais e educacionais. A educação é um bem público e um direito social, pelo que carece urgentemente de uma reforma que privilegie a interação do conhecimento com a moral, a ética e o respeito pelos princípios fundamentais da vida em sociedade.

Num balanço frio e distante dos últimos acontecimentos que invadiram as nossas casas, as nossas vidas diariamente, através da televisão ou dos jornais, podemos enumerar as mil urgências sociais e educativas que podem ajudar a compreender e explicar os factos e a aprofundar a cidadania e a democratização da sociedade. É urgente:

Denunciar os ladrões, violadores de leis, mentirosos e corruptos que diariamente enganam o Estado e empobrecem cada vez mais os portugueses;
Aumentar a natalidade e o nosso peso demográfico para garantir a força da economia e o futuro da educação, da segurança social e da sociedade portuguesa;
Devolver confiança aos jovens portugueses que emigram por falta de alternativa de emprego em Portugal que lhes proporcione estabilidade económica e profissional;
Encontrar respostas para as mulheres vítimas da violência doméstica. Estima-se que, em Portugal, foram assassinadas cerca de quatro mulheres por mês em 2014, vítimas de violência dos seus companheiros ou maridos, ex-companheiros ou familiares próximos (Observador.pt);
Acompanhar famílias disfuncionais, onde os conflitos, a má conduta e, muitas vezes, o abuso ocorrem contínua e regularmente. As separações são conflituosas gerando, por parte dos pais, vinganças que envolvem os maus-tratos, o abuso físico e/ou psicológico dos filhos;
Compensar com afeto, tolerância e compreensão os filhos de pais com problemas de depressão, de toxicodependência ou delinquência. Crianças que vivem altos níveis de ansiedade, por serem filhos de famílias que viveram separações litigiosas e traumatizantes ou que sofreram severos problemas económicos;
Ajudar as crianças que se sentem desorientadas, perdidas numa época tão rica de estímulos, mas tão pobre em ética, princípios e valores. Crianças que diariamente se confrontam com adversidades, mas que a lei da sobrevivência as ensina a transformar perdas em desafios;
Exigir medidas mais enérgicas no combate à pedofilia e aos crimes de abuso sexual contra crianças e adolescentes;
Voltar a por 'poesia na democracia', como o diz Caetano Veloso;
Reinventar a vida e fazer de cada novo dia uma experiência de riqueza pessoal e social;
Acreditar no sonho e sentir a vida pulsar dentro de cada um!
Só vamos construir um mundo melhor se construirmos pessoas melhores, estruturas sociais mais justas e comprometimento com os valores humanos acima dos valores económicos!
'A educação não muda o mundo, mas muda as pessoas que vão mudar o mundo'
Paulo Freire

Feliz 2015!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

17 Setembro 2018

“Bons e maus Papeis”

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.