Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

200 anos do nascimento do Padre Martinho

Comunidades de aprendizagem

Ideias

2012-10-08 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes Joaquim da Silva Gomes

A arquidiocese de Braga teve, ao longo da sua história, arcebispos que se tornaram referências sociais e conseguiram grande destaque na história de Braga (ex. D. Diogo de Sousa), na história do país (ex. Cardeal D. Henrique) ou na história da própria Igreja Católica (ex. D. Frei Bartolomeu dos Mártires).
No entanto, existiram outros membros da igreja bracarense que, não sendo arcebispos, acabaram por desempenhar um papel de grande relevância dentro da Igreja, alguns deles acabando por obter mais notoriedade que muitos arcebispos da arquidiocese de Braga. Um deles foi o Padre Martinho, que nasceu faz hoje exactamente 200 anos (8 de Outubro de 1812).

O Padre Martinho, cujo nome completo é Martinho António Pereira da Silva, nasceu na freguesia de Semelhe (1), em Braga. Frequentou o Seminário de Braga e realizou a sua primeira missa na Igreja dos Terceiros, no dia 26 de Dezembro de 1843. Exerceu, durante mais de 20 anos, a função de cantor-mor na Misericórdia de Braga. Foi professor de Ciências Eclesiásticas no Seminário de Braga e um pregador que o povo do Minho ouvia com grande admiração.
A vida do Padre Martinho está associada à profunda devoção que tinha por Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal, uma vez que este viveu de perto o clima fortemente conturbado da primeira metade do século XIX.

Os portugueses acabaram por ficar muito agastados com as lutas que ocorreram no nosso país, na primeira metade do século XIX (entre liberais, de D. Pedro, e absolutistas, de D. Miguel) acabando por se agarrarem ainda mais à religião. Desta forma, sendo o Padre Martinho um grande devoto a Nossa Senhora da Conceição, decidiu fazer-lhe uma homenagem, num local calmo e recatado.

O local escolhido foi o Monte do Sameiro, uma vez que apresentava, como apresenta ainda hoje, características naturais propícias à reflexão e à meditação religiosa. Deste modo, rapidamente o Padre Martinho organizou a construção de um pedestal para colocar uma estátua de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, cuja primeira pedra foi lançada no dia 14 de Junho de 1863. O Padre Manuel Antunes dos Reis, grande amigo do Padre Martinho, desempenhou um importante papel em todo o processo relativo ao Santuário do Sameiro.

A estátua de Nossa Senhora da Conceição foi colocada a 12 de Agosto de 1869, sendo benzida pelo arcebispo de Braga (D. José Joaquim de Azevedo e Moura) no dia 28 desse mês, e um dia depois (29 de Agosto) realizou-se a primeira grande peregrinação ao Santuário do Sameiro.
A primeira pedra do templo do Sameiro foi lançada no dia 31 de Agosto de 1873 e a imagem de Nossa Senhora da Conceição foi benzida em Roma, três dias antes do Natal de 1876, pelo Papa Pio IX.

A 7 de Agosto de 1878 a imagem de Nossa Senhora chegou a Braga, perante uma enorme comoção dos fiéis. Ficou na Igreja do Pópulo até que a igreja no Sameiro ficasse concluída, sendo finalmente aí colocada no dia 29 de Agosto de 1880, perante uma das maiores manifestações de fé a que o Santuário assistiu.
Como os fiéis eram cada vez em maior número, houve a necessidade de construção de um templo maior, cuja primeira pedra, daquela que é a actual basílica, foi lançada no dia 31 de Agosto de 1890.
Desta forma, Braga foi a primeira cidade portuguesa a dedicar um monumento a Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal. E isso deve-o ao Padre Martinho, mas também ao seu amigo, Padre Manuel Antunes dos Reis.

O Santuário do Sameiro é, actualmente, um dos maiores locais de culto em Portugal e até da Europa. E o curioso é que no caso deste santuário, nunca houve uma “aparição” religiosa, ao contrário do que aconteceu com a maioria dos grandes santuários mundiais, cujo Santuário de Fátima é um dos exemplos máximos.
O padre bracarense Martinho António Pereira da Silva foi o autor de algumas obras, nomeadamente ‘Sermões Selectos’, ‘Manual do Romeiro em visita ao Sanctuário do Bom Jesus do Monte, nos subúrbios de Braga’ e ainda ‘Flores a Maria ou Mez de Maio’.

O padre, o professor, o escritor e o fundador do Santuário do Sameiro faleceu em Vila do Conde, no dia 8 de Abril de 1875. O seu cadáver foi trasladado para o cemitério de Braga, onde ficou sepultado num jazigo adquirido por subscrição pública, e no qual foi colocada a seguinte inscrição:
“Aqui jaz o Padre Martinho António Pereira da Silva, examinador pro-synodal, lente no seminário de S. Pedro e calendarista do arcebispado Primaz, etc.
Iniciador do monumento que se erigiu no monte Sameiro para comemorar a definição dogmática da Immaculada Conceição, da qual era fervoroso devoto.
Nasceu em Braga aos 8 de outubro de 1812.
Faleceu a 8 de abril de 1875.
Fieis, orae por elle.”

1) Existem referências à freguesia de S. João do Souto (concelho de Braga), como sendo a freguesia natural do Padre Martinho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho