Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

10/10/10 foi um Dia pelo Ambiente

COVID-19: Quem testar? Que testes usar?

Ideias

2010-10-27 às 06h00

Pedro Machado Pedro Machado

Milhares de pessoas em todo o mundo participaram dia 10/10/10 na ‘Festa Global de Trabalho’, organizada pela 350.org. Este dia pretendia ser o dia mais longo de acções cívicas em defesa do clima, estando planeadas cerca de 7500 acções, em 188 países.
A 350.org é uma campanha internacional que visa criar um movimento para unir o mundo em torno de soluções para a crise climática - as soluções que a justiça nos exige.

A missão da 350.org é apelar a todo o Mundo para que se mobilize no sentido de inverter a cri-se climática - criando um novo sentido de urgência e de possibilidade para o nosso planeta.
O centro da organização é o número 350 - partes por milhão de CO2. Se não conseguirmos ficar abaixo desse número, dizem os cientistas, os danos causados pelo aquecimento global que são já visíveis, vão continuar e acelerar.
Actualmente, os níveis de CO2 na atmosfera situam-se entre 385 e 390 partes por milhão e têm vindo a aumentar a um ritmo acelerado.

De acordo com as Previsões do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, se nada for feito, os níveis atmosféricos de CO2 vão chegar a níveis entre as 450 a 550 partes por milhão, até 2050, resultando em temperaturas mais elevadas e a um aumento do nível do mar.
Mas 350 é mais que um número - é um símbolo da meta para onde precisamos nos dirigir enquanto planeta.

A 350.org foi fundada pelo autor Bill McKibben, dos EUA, que escreveu um dos primeiros livros sobre aquecimento global para o público comum, e por uma equipa de amigos da universidade.
Juntos, dirigiram uma campanha em 2007 chamada Step It Up que organizou mais de 2000 marchas em lugares emblemáticos em todos os 50 Estados dos EUA. Estas acções criativas - desde esquiadores descendo um glaciar a derreter, a mergulhadores numa acção submarina - convenceram muitos líderes políticos, incluindo o então Senador Barack Obama, a adoptar o apelo comum à acção: diminuir o carbono em 80% até 2050.

Através da 350.org, a equipa expandiu-se incluindo agora jovens de todo o mundo. Esta equipa global ajudou a mobilizar mais de 5200 acções em 181 países a 24 de Outubro de 2009. A CNN chamou-lhe “o mais abrangente dia de acção política na história do planeta”.

Esta acção visou sensibilizar os líderes mundiais participantes na Cimeira de Copenhaga para assinarem um acordo climático eficaz e ambicioso, já que, segundo os seus organizadores, o acelerar do aquecimento do Árctico e outros impactos climáticos são a prova de que, com os actuais níveis de gases poluentes, já foi ultrapassada a zona de segurança e que, se não forem tomadas medidas urgentes e ambiciosas, o mundo arrisca-se a atingir pontos de viragem e impactos irreversíveis. No entanto, a Cimeira de Copenhaga fracassou neste sentido, nem com a criação de um Mercado do Carbono se conseguiu juntar os grandes decisores políticos e económicos.

Por isso este ano, a 350.org organizou um movimento ainda maior e mais forte. Para o dia 10/10/10 organizou uma Festa Global de Trabalho, com ênfase tanto na “festa” como no “trabalho”. Em Auckland, na Nova Zelândia, por exemplo, realizou-se um gigantesco dia de conserto de bicicletas, para que todas as bicicletas da cidade ficassem em condições de voltar às estradas. Nas Maldivas, montaram-se painéis solares no gabinete do Presidente.

Segundo a organização, “o objectivo do dia não é resolver a crise de clima com um projecto de cada vez, mas enviar uma mensagem política bem definida: se nós podemos colocar mãos à obra, vocês também podem - no que diz respeito à legislação e aos tratados que tornarão todo o nosso trabalho mais fácil no longo prazo”.
De facto, é possível, se quisermos, diminuir a emissão de dióxido de carbono, sem ser necessária a criação do Mercado.

Em Portugal, realizaram-se cerca de 100 acções, o que é significativo para um país tão pequeno. Entre as principais acções contam-se um passeio de bicicleta, organizado pela Quercus, em Lisboa. O objectivo era sensibilizar para uso da bicicleta como forma de mobilidade sustentável, formando um “350” com as bicicletas. A mesma associação promoveu em Beja a plantação simbólica de 350 azinheiras, no local de uma antiga lixeira.

Ainda em Famalicão, estava programada uma caminhada com cerca de 500 pessoas, que usaram t-shirts com frases estampadas, como: “Queime calorias e não petróleo”, “Tome duches rápidos” e “Recicle”.
A teoria de mudança é bem simples: se um movimento internacional de bases conseguir responsabilizar os nossos líderes vinculando-os às últimas descobertas científicas, podemos começar a transformação global de que precisamos tão desesperadamente.
Façam por fazer Bom Ambiente!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho