Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
UMinho quer “afirmar-se como universidade de investigação”
Guimarães reconhecida pelas Nações Unidas como “Cidade Resiliente”

UMinho quer “afirmar-se como universidade de investigação”

Braga integra rede das ‘Cidades Resilientes’ que trabalham para reduzir risco de catástrofe

UMinho quer “afirmar-se como universidade de investigação”

Ensino

2019-12-12 às 13h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Novo Vice-reitor para a Investigação e Inovação da Universidade do Minho (UMinho) tomou posse ontem. Eugénio Campos Ferreira, que substitui Rui L. Reis, tem “grandes desafios” pela frente.

Eugénio Campos Ferreira é o novo vice-reitor para a Investigação e Inovação da Universidade do Minho (UMinho). Uma escolha que vai ao encontro da “prioridade estratégica” de continuar a trabalhar para a “afirmação da UMinho como universidade de investigação”. Mas para o reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, “ainda há um caminho a fazer na simplificação dos procedimentos administrativos”.
Na cerimónia de tomada de posse, realizada ontem, o reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, começou por agradecer “a resposta afirmativa e substantiva” do novo rosto da Investigação e Inovação da academia, admitindo que tem pela frente “um caderno de encargos pesado”.
O reitor lembrou o plano de acção desta equipa reitoral para 2017-2021, onde se pretende chegar “à excelência e crescer em qualidade e quantidade” ao nível dos projectos de investigação. “Queremos uma universidade de investigação e a investigação é central, sendo que conta com o esforço dos nossos investigadores”, enalteceu.
A UMinho tem vindo a alterar o perfil e as unidades orgânicas sabendo disso “têm sabido aproveitar bem os instrumentos disponibilizados pelas políticas públicas”, aplaudiu o reitor.
Mas “ainda há caminho a fazer” no âmbito da simplificação dos procedimentos administrativos. “Nem sempre a energia colocada na captação de financiamento e gestão dos projectos têm a correspondência nos processos administrativos”, confirmou Rui Vieira de Castro, garantindo que a equipa reitoral “está atenta” e já foram dados “passos importantes”.
A par desta simplificação, o reitor assumiu alguns objectivos, nomeadamente no aprofundar da política e práticas de ciência aberta. “A UMinho tem uma tradição nesta área que nos deve orgulhar e não podemos perder a possição de liderança que tem”, desafiou o líder da academia minhota, defendendo o apoio e capacitação dos centros de investigação, bem como dos respecti- vos investigadores.
Rui Vieira de Castro admitiu a “situação bastante desigual” entre os vários centros de investigação, já que alguns, aproveitando determinadas circuntâncias, “foram desenvolvendo mecanismos que os tornaram altamente competitivos” e é isso, ainda nas palavras do reitor, que “deve servir de lição para os outros centros de investigação”, apostando-se também aqui num plano de formação especializada para os trabalhadores que suportam o trabalho de investigação.
O “desafio maior”, acrescentou o reitor, obriga a uma “acção política continuada” juntos das várias agências, uma vez que, com o novo quadro comunitário de apoio, “há oportunidades” e “é preciso estar atento”. Ainda no campo da inovação, Rui Vieira de Casto lamentou algum grau de desconexão” que não permite transmitir para o exterior a qualidade do que se faz na UMinho .
O novo vice-reitor vai continuar o programa iniciado por Rui L. Reis, tendo “consciência da ambição” das 10 medidas para a área da Investigação e Inovação. “Esta não é uma missão de um homem só”, observou o vice-reitor, assumindo “com determinação e sentido de responsabilidade” a missão que tem pela frente.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.