Correio do Minho

Braga, terça-feira

'Sete Fontes': homem viu dois jovens atear fogo com isqueiro
Políticas educativas devem assentar na investigação

'Sete Fontes': homem viu dois jovens atear fogo com isqueiro

Novo S. Geraldo coloca Braga como referência das Media Arts

Casos do Dia

2011-07-28 às 06h00

Luís Fernandes

Um guarda das Sete Fontes, em S. Victor, viu ontem à tarde dois jovens atear fogo ao mato com isqueiro. Fugiram. O incêndio que se lhes seguiu reduziu a cinzas uma casa abandonada refúgio de viciados e ameaçou uma outra, de um idoso. Interveio um helicóptero.

Os dois jovens denunciados pelo guarda das sete Fontes agiram rápida e eficientemente, ateando fogo em pontos distintos área de mato e sobreiros onde se situa o monumento nacional.
Desapareceram com a rapidez que o acto criminoso recomendava.

O alerta aos Bombeiros Voluntários de Braga foi registado às 16,07 horas. Aos primeiros soldados da paz juntaram-se depois os que tinham sido rendidos em Pedralva.
O novo Hospital de Braga ergue-se ali, bem alto e altivo. Dificilmente as chamas lá chegariam. Há uma fábrica de pneus a cerca de 300 metros dali.

O helicóptero que interveio abastecia-se perto e, seguramente, evitou que as chamas alastrassem com maior rapidez.
Da casa abandonada, ao arder na fase de reacendimento, ouvi-se o destroçar-se barulhento e sucessivo das telhas queimadas.

A casa, rodeada de fetos, vizinha e árvores de fruto, tudo seco, tem servido de albergue para a juventude toxicodependente.
Na outra casa, bem mais afastada, a sul, vive um idoso na solidão da sua velhice.
Populares da zona estiveram de sobreaviso solidário.

O presidente da Junta de Freguesia de S. Victor correu para ali e insiste na necessidade de limpeza sistemática no local, até porque o monumento nacional Sete Fontes assim o exige.
“Todos os cuidados são poucos”, sublinha Firmino Marques, chamando a atenção para a urgente resolução dos problema das acessibilidades.

“Há um caminho que dá acesso à estrada principal das Sete Fontes. Um caminho municipal que ninguém o arranja” — informou Custódio Vieira, nascido há 60 anos nas sete Fontes. De raiva disparou:
“”Salazar faz tanta falta...”!
No rescaldo, Firmino foi ajudando a apagar os reacendimentos. Mas tudo sob controlo.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.