Correio do Minho

Braga, sábado

Ricardo Rio: “Braga demonstrou toda sua criatividade”
Parceria requalificou Centro Pastoral de Anjos

Ricardo Rio: “Braga demonstrou toda sua criatividade”

Força da criação nacional e internacional atinge Guimarães

Braga

2018-09-03 às 06h00

Paula Maia

Diversão, felicidade e sentido de comunidade. Estas são algumas palavras a que o presidente da câmara recorreu para definir a edição da Noite Branca deste ano. Braga demonstrou que a Cultura é sinónimo de criatividade, identidade e convívio.

Braga viveu três dias fantásticos, onde se respirou energia positiva, onde se viveram momentos de alegria e confraternização e, sobretudo, onde ficou demonstrada a capacidade criativa de uma comunidade que respira cultura.
O presidente da câmara recorre às palavras “felicidade e sentido de comunidade”para definir a edição deste ano da Noite Branca que, ao que tudo indica, terá ultrapassado o número de visitantes das edições anteriores.
“Felicidade foi aquilo que mais sentimos quando percorremos as ruas. Um sentimento muito agradável com as pessoas a derem, descontraidamente, também um pouco de si a esta festa”, aponta o autarca.
“Sentido de comunidade porque os bracarenses já olham para a Noite Branca, não só como um momento de diversão, mas também como um momento de afirmação e de projecção do concelho”, continua Ricardo Rio, res- salvando que este é já um evento para todas as idades, para as famílias como ficou bem patente nas últimas noites.

Efectuando um balanço muito positivo da edição deste ano, Ricardo Rio diz a organização conseguiu concretizar um dos seus principais objectivos: diluir a ‘pressão’ das pessoas para um espaço mais extenso, através do alargamento do programa a outros pontos da cidade.
“Este ano tivemos não dois, mas quatro palcos e a verdade é que isso estendeu o continuum de pessoas que durante estas noites passaram pelo centro da cidade, e com todo o conforto e segurança”, avança o edil, felicitando todos os que participaram no evento por imprimirem o seu cunho pessoal nesta sétima edição da ‘Noite Branca’.

“A Noite Branca também ganha muito com essa cumplicidade que se cria entre as pessoas”, diz ainda o autarca bracarense, chamando ainda a atenção também para os inúmeros idiomas que se fizerem ouvir durante estes dias, nomeadamente o espanhol, o inglês, francês e o brasileiro.
A cumplicidade e simbiose que o evento criou ficou bem patente no espectáculo de encerramento em que as vozes da cidade de juntaram numa só voz no espectáculo das Sopa de Pedra.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.