Correio do Minho

Braga,

O ‘Brarroco’ também vai à Noite Branca
Arcos de Valdevez terá um anjo para fazer visitantes voar até ao barroco

O ‘Brarroco’ também vai à Noite Branca

‘Happy birthday’ ao Instituto Britânico de Braga

Braga

2018-08-31 às 06h00

Paula Maia

Instalação artística vai decorar oito artérias do centro da cidade. ‘Serpente’ branca foi concebida a partir de milhares garrafas PET transformadas pelas mãos dos reclusos dos Estabelecimentos Prisionais de Braga e Paços de Ferreira.

Tal como a multidão que serpenteia as ruas da cidade, uma linha de corpo orgânico percorre-as em desenhos soltos, adaptando-se entre espaços vazios e ruelas estreitas. Com movimentos ao sabor do vento, esta linha branca gigante vai multiplicar-se em cores quando a noite chegar e revelar emoções constantes transmitidas pela luz que irradia.
‘Brarroco’ é o nome da instalação artística que foi concebido por reclusos dos estabelecimentos prisionais de Braga e Paços de Ferreira, sob orientação de Madalena Martins, autora da instalação que promete ser um das principais atracções das milhares de bracarenses e forasteiros que vão participar na Noite Branca deste ano.

Para a construção deste ‘corpo’, foram usadas milhares de garrafas PET, recolhidas de vários eventos e equipamentos municipais e transformadas pelas mãos dos reclusos dos Estabelecimentos Prisionais de Braga e Paços de Ferreira. Alia-se assim a sustentabilidade ambiental a uma forte componente social.
Este ‘ser’ gerador de emoções vai decorar oito artérias do centro da cidade, numa extensão de 1,5 quilómetros, com recurso a seis mil garrafas de plástico e a 4500 metros quadrados de tela geotêxtil.

Madalena Martins afirma que o ponto de partida foi a reabilitação de materiais que “algo que pudesse funcionar bem em várias ruas da cidade, que fosse envolvente e o reflexo daquilo que a multidão esteja a viver”.
Esta é uma linha orgânica dentro de um tubo feito com garrafas de plástico e decorado com franjas de geotêxtil, fazendo contrastes de luz e cor, tendo sido concebido com recurso a mão-de-obra de reclusos. “Uma linha branca, única, transparente e contínua para que possa irradiar a luz que foi colocada no seu interior. Uma linha que acorda à noite com a luz”, descreve Manuela Martins, autora de outras instalações artísticas de rua, mas que em Braga assume o risco de projectar algo para animar um espaço mais alargado.
Mas, há mais para ver na Noite Branca ao nível de instalações artísticas e das Media Arts (ver caixa).

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.