Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Miguel Rodrigues venceu Bienal de Arte Sacra
Trio armado roubou encomendas postais

Miguel Rodrigues venceu Bienal de Arte Sacra

Presidente da Câmara Municipal de Viana recebeu 12 novos bombeiros municipais

Braga

2018-09-05 às 06h00

Miguel Viana

Lianor Gaspar foi a segunda classificada. Na terceira posição ficou Helena Romão. Quadro de D. António Francisco dos Santos, de António Bessa, foi o preferido do público.

Miguel Rodrigues foi o vencedor da I Bienal Internacional de Arte Sacra Contemporânea de Braga. Na segunda posição ficou Lianor Gaspar e Helena Romão alcançou o terceiro lugar.
Miguel Rodrigues participou com as obras ‘Je Suis Ton Fils’ (Eu sou teu filho, em francês) e ‘Entre le Silence des Cordes’ (Entre o Silêncio das Cordas).
O artista recebeu o prémio das mãos do presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio.“A obra já passou pela Sé de Braga e espero que haja uma nova edição e que daqui a dois anos possa participar novamente”, disse o artista.

Miguel Rodrigues desejou, ainda, que a “bienal seja um momento em que a igreja se volte a virar para a arte contemporânea , e que sirva de interlocutor, como foi durante toda a sua história, para estar à frente na arte e a acompanhar sempre o motor das tendências artísticas do futuro”, disse o artista numa intervenção muito aplaudida.
A obra ‘Je Suis Ton Fils’ de Miguel Rodrigues inserem-se num conjunto de obras sobre o reinado de D. João iV, sobre o barroco.

O outro trabalho foi feito para ornamentar o Palácio de Santos, em Lisboa, onde funciona a Embaixada de França (o que explica os nomes em francês).
Miguel Rodrigues chegou a estudar Economia em Coimbra, mas cedo se interessou pela escultura, tendo frequentado a Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
A escolha do público recaiu sobre o quadro de D. António Francisco dos Santos (Bispo do Porto), da autoria de António Bessa.

Na entrega do prémio, o mestre recordou o bispo portuense, pedindo que o possa continuar a inspirar nos futuros trabalhos,
O quadro do mestre António Bessa mereceu 89 dos 684 votos do público.
A obra ‘Santíssima Trindade’, de Santiago Belacqua, mereceu 104 votos, mas a mesma não se encontrava a concurso porque o autor integrou a organização da bienal.
A animação musical da gala esteve a cargo da fadista Isa de Castro e da Banda G. A Bienal foi organizada pela associação Arte Violeta e pelo Museu Pio XII.

Bienal de Arte Sacra dá origem a novos projectos da Arquidiocese de Braga

A I Bienal Internacional de Arte Sacra Contemporânea de Braga “abriu o diálogo com os artistas para o futuro”, referiu o cónego José Paulo Abreu, director do Museu Pio XII, que acolheu a exposição, á margem das conferências que marcaram o encerramento da bienal.
Um diálogo que se pode traduzir numa colaboração mais estreita entre a arquidiocese de Braga e os artistas. “A bienal foi muito importante. Primeiro porque nos trouxe muitos artistas e segundo, porque abriu o contacto com os artistas para o futuro. Nesta perspectiva, a bienal foi absolutamente fantástica.Também valeu pela qualidade das obras que estiveram expostas. Tivemos aqui os talentos maiores que neste momento existem”, revelou José Paulo Abreu.

O director do Museu Pio XII adiantou mesmo que “já temos alguns projectos na calha. A nossa ideia agora é começar a ter uma conversa mais assídua, mais próxima, mais palpável com os artistas, implicando-os em novas construções, em novos espaços, em novas criações. De tal forma que o contacto não seja só de dois em dois anos, mas com alguma regularidade”.
Os novos projectos podem passar pelo enriquecimento de edifícios já existentes ou pelo embelezamento de novos espaços.
O cónego José Paulo Abreu defendeu ainda que “alguma mostra que se venha a fazer deste tipo, seja já o corolário de um caminho feito. Esse será o novo projecto que vamos fazer.”
José Paulo Abreu considerou mesmo que “fazia falta esta convocatória aos artistas. Fazia falta este espaço de diálogo e esta abertura.” As conferências abordaram os temas da espiritualidade na arte sacra, a importância da arte em Língua Portuguesa e a arte cristã. “Pretendemos ajudar a perceber a arte religiosa, a esfera do sagrado. É para ajudar as pessoas a entrar neste mundo, que não é tão familiar assim”, explicou o cónego José Paulo Abreu.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.