Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Iniciativa ‘Braga Plogging’ é para continuar
Balcão da Inclusão já está a funcionar

Iniciativa ‘Braga Plogging’ é para continuar

Guardiões do futuro aprendem com as referências do clube

Iniciativa ‘Braga Plogging’ é para continuar

Braga

2019-08-18 às 08h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Decorreu ontem terceira acção do ‘Braga Plogging’. Participantes recolheram milhares de beatas de tabaco no percurso entre a Avenida Central e o Parque da Ponte. Promotores vão manter este tipo de iniciativas, cuja próxima acção decorre no dia 24.

O percurso entre a Avenida Central e o Parque da Ponte foi o escolhido para a terceira acção do ‘Braga Plogging’ dinamizada ontem, ao final da tarde, por um conjunto de associações concelhias que querem limpar a cidade das beatas do tabaco.
A tarefa não se afigura fácil, desde logo porque locais onde as beatas são recolhidas depressa se transformam novamente em cinzeiros a céu aberto, fruto da falta de civismo que, consciente ou inconscientemente, muitos cidadãos ainda têm.
São muitos os milhares de beatas espalhadas pelas ruas da cidade. Para se ter uma ideia, na semana passada, em duas horas, foram recolhidas mais de 20 mil beatas, no percurso entre a Avenida Central e a central de camionagem. Elda Fernandes nota que aquele é um percurso que a Agere limpa, “mas o que acontece é que pouco depois dessa limpeza aparecem logo mais beatas no chão”.
A coordenadora do Movimento Braga para Todos considera que este é sobretudo um problema de civismo, apesar de que muitas vezes os fumadores “nem têm consciência” do acto de deitar a beata para o chão.
No entender deste movimento de cidadãos, uma das formas de atacar este problema é colocando ecopontas na cidade, um desafio que o Braga para Todos já lançou ao Município de Braga. No entanto, não basta apenas fazer isso, é também necessário sensibilizar os fumadores para que utilizem os ecopontas, nota Elda Fernandes, realçando que os ecopontas permitem dar um destino às beatas, que de outra forma teriam como final de ciclo os aterros sanitários.
“As beatas são necessárias desde logo para fazer investigação sobre o seu melhor destino. É importante encontrar soluções para que as beatas sejam reutilizadas, como já acontece por exemplo em tijolos”, acrescentou.
Elda Fernandes nota ainda que a colocação dos ecopontas permitiria também criar locais para depositar as chicletes, outra “praga” que cobre as ruas da cidade.
Além do Braga Para Todos, esta acção conta ainda com o envolvimento de: Synergia, UAI, Braga Aninal save, Abandoned Pets, BSB - Ecovegan e Espaço Soul. À acção de ontem juntaram-se ainda Isabel Marques e Marco Alves, que integram a listade candidatos a deputados do Partido Aliança pelo círculo de Braga.
“Participamos neste acção essencialmente por dois motivos, porque o Aliança, um partido de centro direita, tem no Ambiente uma das suas principais preocupações, e depois porque nos identificamos com a causa deste movimento cívico”, referiu Marcos Alves. Já Isabel Marques, que também destaca a “forte preocupação ambiental do Aliança”, referiu que ao participar nestas acções conseguem “ter um percepção real daquilo que verdadeiramente se passa no terreno”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.