Correio do Minho

Braga, sábado

Hospital de Guimarães contratou 63 enfermeiros e assistentes operacionais
Desfrute de iguarias distintas e um ambiente intimista ao seu ‘Bel-Prazer’

Hospital de Guimarães contratou 63 enfermeiros e assistentes operacionais

Edil quer integração das autarquias nas Administrações Portuárias

Vale do Ave

2018-07-18 às 06h00

Miguel Viana

Contratação resultou da adaptação à redução da carga horária das 40 para as 35 horas semanais de trabalho e das autorizações dos ministérios da Saúde e das Finanças. Alterações entraram em vigor no passado dia 1.

O Hospital Senhora da Oliveira conta, desde ontem, com 63 novos enfermeiros e assistentes operacionais.
A contratação destes profissionais resultou da transição das 40 para as 35 horas de trabalho semanal da maior parte dos colaboradores com contrato individual de trabalho e consta dos despachos emitidos pelos ministérios da Saúde e das Finanças.
As novas admissões representam um encargo anual de aproximadamente 1 milhão e 200 mil euros.
O número de contratados, segundo o presidente do Conselho de Administração do Hospital vimaranense, corresponde ao dobro do que estava definido pelo Ministério das Finanças, que teve em conta os vários indicadores registados pela unidade de saúde.

“O que estava previsto era que a alocação (de funcionários) às várias instituições fosse realizada em termos proporcionais. Se fosse por este critério, ao Hospital Senhora da Oliveira seriam arbitradas 30 vagas e foram arbitradas 63. Isso fica-se a dever ao critério que conseguimos negociar, não foi o da proporcionalidade, mas foi o dos resultados medidos nos vários indicadores em relação aos nossos doentes e o desempenho dos profissionais, em termos de horas dispendidas”, explicou o presidente do Conselho de Administração do Hospital Senhora da Oliveira.
O responsável prometeu tudo fazer para corresponder às exigências e anseios dos profissionais recém-contratados, e sublinhou que o processo decorreu com toda a normalidade.

“Entre nós, o processo desempenhou-se de forma pacífica e equilibrada”, assegurou Delfim Rodrigues, revelando que muitos dos profissionais que ontem assinaram o respectivo contrato de trabalho já estavam ao serviço do Hospital desde o passado dia 1 de Julho (data em que entraram em vigor as autorizações dos ministérios da Saúde e das Finanças).
O presidente do Conselho de Administração do Hospital Senhora da Oliveira lembrou que se trata de “um hospital muito exigente, com um corpo profissional de elevada craveira técnica e científica, e que pauta o seu trabalho pelo rigor”.
Delfim Rodrigues anunciou que este foi o “último acto público” da sua gestão e lançou um apelo aos recém-contratados: “Peço o vosso empenho e o vosso apoio para apoiarem a nova equipa que sucederá à actual.”
O responsável desafiou, também, os profissionais a terem compaixão pelos doentes e respectivas famílias e a tratarem os mesmos “como desejam que sejam tratados.”

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.