Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Hortas inspirados na vitória moralizadora dos Guerreiros
Vizela com novo parque de estacionamento

Hortas inspirados na vitória moralizadora dos Guerreiros

Esposende participa na 18.ª Conferência Internacional de Responsabilidade Social

Hortas inspirados na vitória moralizadora dos Guerreiros

Desporto

2019-08-23 às 07h30

Carlos Costinha Sousa Carlos Costinha Sousa

SC Braga conquistou uma motivadora vitória na recepção ao Spartak de Moscovo, por 1-0, com golo de Ricardo Horta. Já o outro Horta assume-se cada vez mais como comandante desta equipa.

Era importante ganhar conforto na eliminatória no duelo da primeira mão do play-off. A receita passava, como Ricardo Sá Pinto referiu na antevisão, marcar golos e não sofrer. E essa meta foi conseguida. O Sporting Clube de Braga derrotou o Spartak de Moscovo por 1-0, mas, principalmente depois da segunda parte, o resultado podia ter sido bem mais tranquilizador.
Faltou um bocadinho mais de pontaria no remate final e facilmente os bracarenses viajariam, na próxima semana, para a Rússia com outra tranquilidade. Tal não aconteceu, mas a vantagem construída é muito positiva e dá ânimo e confiança para o duelo da segunda mão do play-off.
Os primeiros 45 minutos decorreram de forma bastante equilibrada, com o SC Braga a tentar dominar o desenrolar da partida, mas a mostrar algumas dificuldades para o conseguir fazer. O jogo ofensivo da equipa ficava sempre um pouco limitado, uma vez que era o praticamente sempre o mesmo jogador que começava a organização dos ataques dos Guerreiros do Minho. André Horta já assumiu de vez que é o patrão do meio campo do SC Braga e no jogo de ontem voltou a afirmar-se como uma excelente mais-valia às ordens de Sá Pinto.
Mas mesmo assim tornava-se difícil para os bracarenses conseguirem criar perigo para a baliza dos russos, equipa muito bem organizada e com uma capacidade defensiva impressionante, também a demonstrar desde cedo que não queria arriscar muito, no assumir do jogo, mostrando-se mais expectante e mais à espera de espaços para as transições rápidas.
E foi nessas condições, sem que o SC Braga conseguisse assustar o guarda-redes russo, que a equipa do Spartak de Moscovo conseguiu incomodar o sector mais defensivo dos arsenalistas. Principalmente por intermédio de Schürrle, os russos iam conseguindo aproximar-se da baliza bracarense e criar perigo, mas sem mostrar eficácia.
E até ao intervalo, os russos foram sempre mais activos e assustaram mais vezes, mas o melhor estava para vir no segundo tempo.
Sá Pinto mexeu ao intervalo. Tirou Fransérgio, que estava francamente apagado no jogo, e meteu João Novais. E tudo mudou. O meio campo tornou-se mais activo e perigoso na construção ofensiva e os bracarenses tomaram conta do jogo de forma absoluta
Os lances de perigo sucederam-se e o golo adivinhava-se, até que apareceu mesmo. Aos 74 minutos, Esgaio fugiu pela direita, cruzou para João Novais que falhou o remate, mas a bola foi ter aos pés de Ricardo Horta que empurrou para o fundo das redes dos russos. Uma a zero para os bracarenses, numa fase em que já era merecida e justificava-se a vantagem.
Até ao final da partida, o SC Braga pressionou cada vez mais, esteve muito perto de conseguir aumentar - e merecia - a vantagem, mas faltaram apenas centimetros na finalização para os bracarenses conseguirem um triunfo mais tranquilizador para na próxima semana jogarem na Rússia com outra segurança o duelo da segunda mão.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.