Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Governo quer combater desigualdade entre homens e mulheres
Jovens de Vieira do Minho tornam-se ‘vigilantes’ da Serra da Cabreira

Governo quer combater desigualdade entre homens e mulheres

Tribunal dos Arcos de Valdevez volta a julgar processos-crime em 2019

Cávado

2018-04-17 às 06h00

Lurdes Marques

Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade apresentou ontem, na Póvoa de Lanhoso, a nova Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação, que integra 140 medidas para combater desigualdade a assimetrias entre géneros.

Em Portugal, os homens ganham mais 17% que as mulheres e se atendermos aos quadros superiores essas diferenças salariais situam-se em cerca 30%. As desigualdades entre ambos os sexos estendem-se também à participação das mulheres na vida política, no âmbito de decisões económicas e nas empresas, de entre outras. Estes foram alguns dados deixados pela secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, ontem, na Póvoa de Lanhoso, no âmbito do seminário de apresentação da Nova Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação Conhecer para Intervir.

A nova estratégica, um processo muito participado e desenhado para 12 anos, integra três planos de acção: Plano para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens; Plano para a Prevenção e combate à Violência contra as mulheres e a Violência Doméstica; e o Plano de Acção para o Combate à Discriminação em razão da origem, orientação sexual, da identidade e expressão de género e características sexuais. São mais de 140 medidas preparadas para promover a igualdade, combater a violência contra as mulheres e a discriminação em função da orientação sexual, da identidade de género e características sexuais. Na prática, são mais de 140 medidas preparadas para combater as desigualdades e assimetrias, uma vez que, e de acordo com a secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, apesar dos avanços registados nos últimos 40 anos, subsistem as formas de discriminação, as desigualdades de oportunidades e resultados, que são determinadas pelo sexo da pessoa, pela etnia, pela condição social ou pela orientação sexual.

No decurso da cerimónia de abertura do seminário - que contou com as intervenções de Manuel Albano, da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, de Sandra Palma Saleiro, do Centro de Investigação e Estudos de sociologia e de Manuel Carlos Silva, do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais - o presidente da Câmara Municipal, Avelino Silva, relembrou que a igualdade é um temas que tem merecido especial atenção nos últimos anos. Exemplos disso são o Plano Municipal para a Igualdade, a criação de uma equipa para monitorização das políticas municipais para a Igualdade e adesão à Carta da Diversidade, entre outras. Em 2010, contando com um con-junto de parceiros, foi criado o SIGO, serviço para a promoção da igualdade de género e de apoio às vítimas de violência doméstica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.