Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Funcionários de escola param para exigir reforço de pessoal não docente
Vila Verde distinguido com galardão eco escola

Funcionários de escola param para exigir reforço de pessoal não docente

Caldelas inaugurou albergue do Caminho Geira e Arrieiros

Funcionários de escola param para exigir reforço de pessoal não docente

As Nossas Escolas

2019-09-13 às 06h00

Redacção Redacção

Os funcionários da Escola Secundária Alcaides de Faria, em Barcelos, vão protestar, hoje, contra a “gritante” falta de pessoal não docente, que obriga cada um deles “a trabalhar por dois”, disse ontem fonte sindical.

Os funcionários da Escola Secundária Alcaides de Faria, em Barcelos, vão protestar, hoje, contra a “gritante” falta de pessoal não docente, que obriga cada um deles “a trabalhar por dois”, disse ontem fonte sindical.
Em declarações à Lusa, a dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN) Helena Peixoto disse que este será já o terceiro protesto do género registado naquela escola secundária em 2019.
“Para trabalhadores que ganham 635 euros por mês, três dias de greve mexem, naturalmente, muito com os seus orçamentos familiares, mas isto é bem revelador do grau de exaustão a que eles chegaram. São obrigados, sistematicamente, a trabalhar por dois”, sublinhou ainda a sindicalista.

Segundo Helena Peixoto, a escola conta, actualmente, com “22 ou 23” funcionários, quando, de acordo com os rácios definidos por portaria, deveria ter 25.
No entanto, dois daqueles funcionários estão de baixa prolongada e outros dois vão sair para aposentação “muito em breve”.
“No mínimo dos mínimos, que venham os 25 previstos na portaria, embora consideremos que 30 seria o número ideal para a escola funcionar como deve ser”, acrescentou.
Hoje, dia de recepção aos alunos para um novo ano letivo, os funcionários vão fazer greve entre as 7.30 e as 11 horas.

No último ano lectivo, registaram-se greves do género nos meses de Março e Abril deste ano.
“São greves que deixam fortes marcas nos bolsos dos trabalhadores, mas essas marcas não se comparam às que resultam de um estado de perfeita exaustão”, disse ainda aquela responsável do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte.
A Lusa tentou ouvir a direcção da Escola Secundária Alcaides de Faria, mas não foi possível.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.