Correio do Minho

Braga, sábado

Extracção de enzima pode prolongar vida de doentes de Alzheimer
Força da criação nacional e internacional atinge Guimarães

Extracção de enzima pode prolongar vida de doentes de Alzheimer

Viana do Castelo cria rede de proximidade entre baldios

Ensino

2018-06-19 às 07h55

Redacção

Investigadores da Universidade do Minho descobriram que a extracção da enzima PLD pode prolongar vida de doentes de Alzheimer.

Uma equipa da Universidade do Minho (UMinho) concluiu que a extracção da enzima phospholipase D (PLD) poderá ter um “efeito protector” nos doentes de Alzheimer, prolongando o tempo de vida e melhorando alguns dos sintomas.
Em comunicado enviado ontem à Lusa, a UMinho explica que o trabalho conduzido pelos investigadores do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) Francisca Vaz Bravo e Tiago Gil Oliveira é um “primeiro passo para perceber os efeitos que a ablação [extracção] da PLD pode ter no controlo ou reversão de fenótipos patológicos”.
O texto refere ainda que este foi também o primeiro trabalho em Caenorhabditis elegans (um nemátodo, um tipo de minhoca, que tem tido um importante papel no avanço da investigação fundamental) utilizado para investigação científica que estudou a ablação da PLD.

“Surgiu a ideia de estudarmos o papel desta enzima num modelo diferente, e foi aqui que pensámos na C. elegans. Aqui nós queríamos estudar fisiologicamente o que acontecia quando tirávamos a PLD num contexto basal, ou seja, num contexto sem doença”, explica no comunicado Francisca Vaz Bravo.
A UMinho explica que, “recorrendo ao uso de um modelo genético da doença de Alzheimer, foi observado que a diminuição dos níveis de PLD reduz a suscetibilidade a convulsões induzidas farmacologicamente”.

A importância desta enzima, lê-se, “é destacada por a phospholipase D ser parte do grupo de phospholipases que modulam os lípidos de sinalização do nosso cérebro - que é constituído, em mais de 50%, por lípidos”, daí que, explana o texto “juntamente com estudos anteriores, se associe a desregulação destas vias lipídicas a doenças neurodegenerativas”.
A investigadora refere, no entanto, que “ainda há poucos estudos sobre os lípidos neste tipo de doenças”
O “próximo objectivo” aponta a instituição minhota, “é tentar perceber por que motivo a retirada da PLD tem um efeito protector, por forma a poder detalhar esta relação”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.