Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Escola do 1.º Ciclo de Riba de Ave renasce
Feira do Fumeiro de Montalegre teve impacto de 5,9 milhões de euros

Escola do 1.º Ciclo de Riba de Ave renasce

Urgência Pediátrica de Braga registou movimento “atípico” no domingo

Vale do Ave

2019-12-10 às 15h34

Redacção Redacção

Paulo Cunha e Susana Pereira inauguraram obra emblemática para a Vila, com excelentes condições de conforto e modernidade.

A recuperação da escola básica de Riba de Ave não foi um processo fácil, nem tão pouco unânime. O edifício, de plano centenário, que se encontrava em avançado estado de degradação foi totalmente reabilitado e ampliado, através de um investimento superior a 500 mil euros, tendo sido cofinanciado pelo NORTE 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.
 
“Aquilo que para muitos seria impossível e para outros não passava de um sonho está concretizado e à vista de todos”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, este sábado, na inauguração das obras de reabilitação da escola, que contou com a participação das crianças e de toda a comunidade educativa.
 
A persistência dos responsáveis e a força da vontade política na execução da obra foram, de resto, as ideias mais vincadas na cerimónia que contou ainda com as presenças da presidente de Junta de Riba de Ave, Susana Pereira, e do diretor do Agrupamento de Escolas de Pedome, Fernando Lopes.
 
Paulo Cunha admitiu que a concretização desta obra foi “um processo difícil”, mas muito importante para o sucesso educativo desta comunidade. “Trata-se de uma resposta que surge em contraciclo marcado pelo desaparecimento de outros estabelecimentos de ensino em Riba d’Ave. Temos uma escola mais capaz e que está lotadíssima, o que significa que a comunidade merece e precisa desta escola”, salientou o autarca.
 
Por outro lado, Paulo Cunha mostrou-se satisfeito pelo facto do projeto ter conseguido respeitar o tempo e a história da escola em termos arquitetónicos. “Fizemos uma escola nova, mas não destruímos a antiga”.
 
Em relação às grandes intervenções no parque escolar concelhio, o autarca famalicense reconhece que  especialmente ao nível do ensino básico, “estão a terminar”, garantindo, no entanto, que a autarquia vai proceder a partir de agora a uma “manutenção muito atenta, muito diligente, para que as escolas não voltem ao estado em que estavam há uns anos”.
 
Também Susana Pereira sublinhou a importância que esta escola tem para a vila de Riba de Ave, sobretudo numa altura em que a localidade viu esvaziar muitas ofertas educativas. “Felizmente o nosso presidente reconheceu isso e atendeu aos nossos pedidos”, diz.
 
O diretor do Agrupamento de Pedome, ao qual a escola pertence, referiu que esta obra nasceu da “vontade política” de restituir a dignidade a uma escola que estava condenada a fechar.
 
Refira-se que a escola que beneficiou de uma profunda remodelação abriu portas no terceiro período do ano letivo 2018/2019. Com um investimento superior a 500 mil euros, as obras implicaram uma ampliação com a criação de mais duas salas, passando para oito. Foi ainda construída uma sala de apoio, biblioteca, sala de professores e recreio coberto. Os arranjos exteriores contemplaram também um espaço desportivo com relva sintética.
 
RIBA DE AVE RECLAMA ENSINO PÚBLICO SECUNDÁRIO
 
A presidente da Junta de Freguesia de Riba de Ave aproveitou a cerimónia para voltar a reivindicar a necessidade da vila ter oferta de ensino público até ao 12.ºano. A autarca recordou que Riba de Ave perdeu recentemente duas escolas, o Externato Delfim Ferreira e a Didáxis, devido ao fim dos contratos de associação que mantinham com a tutela pelo que a vila não dispõe atualmente de uma oferta pública ao nível do ensino secundário. “É a minha próxima luta. Já não discutimos os contratos de associação, mas a necessidade de termos a escolaridade obrigatória até ao 12.º ano que é premente”, afirmou Susana Pereira, acrescentando que o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão tem trabalhado nesse sentido com a direção do Agrupamento de Escolas de Pedome, as juntas de freguesias vizinhas, como coma tutela. “Agora que temos uma escola do 1.º ciclo digna, gostávamos que o ensino continuasse até ao 12.º ano como aconteceu durante décadas”, continuou a presidente da junta, acrescentando que tudo está dependente “da vontade política”.
 
Paulo Cunha foi de encontro à reivindicação de Susana Pereira e deixou também a garantia de que a câmara municipal tem deixado junto do Ministério da Educação o compromisso de cooperar e ajudar a criar condições para que a oferta ao nível do ensino secundário seja uma realidade.
 
“Espero que tanto quanto a câmara municipal e a junta de freguesia, o Ministério da Educação e o governo no seu todo queira criar condições para que Riba de Ave volte a ter a preponderância que teve e que é merecida ao nível dos seus ciclos obrigatórios até ao ensino secundário”, disse Paulo Cunha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.