Correio do Minho

Braga, terça-feira

Derrota na Madeira faz agravar a crise no Vitória SC
Embaixadora sueca elogia “cooperação” entre instituições públicas e privadas

Derrota na Madeira faz agravar a crise no Vitória SC

Dia do Autarca mostra união das freguesias de Vila Nova de Famalicão

Desporto

2018-02-25 às 06h00

Redacção

Vitória de Guimarães sofreu ontem, na Madeira, frente ao Marítimo, na 24.ª jornada da I Liga, a oitava derrota nos últimos 10 jogos, e a primeira após a saída de Pedro Martins, substituído interinamente Vítor Campelos. Vitorianos continuam frágéis.

O Marítimo voltou às vitórias, mais de dois meses depois, ao derrotar ontem o Vitória de Guimarães por 3-2, em partida da 24.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol. Após nove jornadas, o triunfo insular chegou através de três golos apontados na sequência de cantos na primeira meia hora de jogo, com autoria de Ricardo Valente (13 minutos), Pablo (22) e Joel (26).
Já o Vitória, sofreu a oitava derrota nos últimos 10 jogos, a primeira sob o comando interino de Vítor Campelos.

A partida não podia ter começado da pior maneira para os anfitriões, que perderam Edgar Costa, por lesão, logo aos nove minutos, levando à entrada de Jean Cléber. Mesmo assim, quatro minutos depois, chegou o golo maritimista logo na primeira oportunidade. Canto apontado por Rúben Ferreira, Zainadine ganhou o duelo aéreo e a bola sobrou para Ricardo Valente apontar o quinto golo na I Liga.
O Vitória respondeu na mesma moeda e apenas dois minutos depois, consegue empatar, através do internacional peruano Hurtado, que surgiu no coração da área para responder ao cruzamento de Konan e igualmente marcar pela quinta vez na Liga.

A eficácia prosseguiu, desta feita no lado do Marítimo, mais uma vez a partir de um canto, agora no lado direito, cobrado por Jorge Correa e direccionado para o central Pablo se estrear a marcar com a camisola verde rubra', à passagem do minuto 22.
Mais um canto para os madeirenses, aos 26 minutos, mais um golo. Desta vez, foi Bebeto a cruzar, a bola passou por Pablo e Ricardo Valente, antes de chegar a Joel para finalizar.
O resultado desanimador obrigou os vitorianos a subirem mais no terreno, mas era notória a falta de inspiração no momento de definição dos lances.

A vantagem confortável do Marítimo sofreu um revés à entrada dos últimos 20 minutos, quando o guardião Charles teve uma saída da baliza imprudente, derrubando Héldon na grande área. Hurtado aproveitou o castigo máximo para fazer o bis' e reduzir a diferença no marcador.
Em busca do empate, o Vitória continuou as suas incursões no meio-campo adversário, mas foi o Marítimo que esteve mais perto de voltar a marcar.
A partida terminou com muitos festejos pelo regresso dos insulares às vitórias, enquanto vários adeptos vimaranenses dirigiram cânticos pouco elegantes para o presidente Júlio Mendes.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.