Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Conselho Cultural da UMinho quer ser útil e escutado pela sociedade
Guerreiros jogam na Eslováquia com frio de rachar

Conselho Cultural da UMinho quer ser útil e escutado pela sociedade

Escolas de Braga recebem kit Centurium

Conselho Cultural da UMinho quer ser útil e escutado pela sociedade

Ensino

2019-10-11 às 06h00

José Paulo Silva José Paulo Silva

Helena Sousa iniciou funções como presidente do Conselho Cultural da Universidade do Minho. Na tomada de posse, identificou a cultura como dimensão estruturante da instituição.

A nova presidente do Conselho Cultural da Universidade do Minho definiu, ontem, como desafio do seu mandato fazer com que “a voz” deste órgão de consulta de reitor e do Conselho Geral “seja escutada e seja verdadeiramente útil à universidade, à região e ao país”. Na tomada de posse, Helena Sousa declarou que “a Universidade do Minho tem todas as razões para se orgulhar das suas unidades culturais”, as quais “dizem muito sobre o modo como encaramos a cultura”.
Segundo Helena Sousa, “a Universidade do Minho percebe que a cultura não é uma realidade externa”, adiantando que “as unidades culturais são lugares de encontro, de encontro com os objectos, de encontro com os especialistas, de encontro com os colegas, de encontro com os cidadãos”.

Partindo do pressuposto de que “a universidade exprime-se culturalmente através da ciência, dos seus projectos de ensino, e através de múltiplas dinâmicas culturais e expressões artísticas”, a nova presidente do Conselho Cultural anunciou o reforço dessas mesmas “dinâmicas que são já fortes e bem estabelecidas”, com o objectivo de “potenciar a articulação com as comunidades internas e externas à universidade”.
Helena Sousa quer que “a Universidade do Minho perceba a cultura como responsabilidade sua e como dimensão estruturante”, algo que, na opinião do reitor Rui Vieira de Castro, “exprime-se de muitas maneiras e em muitos lugares”.

Na cerimónia de tomada de posse de Helena Sousa, ao final da tarde, no salão nobre da reitoria, Vieira de Castro realçou que o Conselho Geral deverá articular a sua acção com o novo pelouro da Cultura e Sociedade criado no âmbito da sua equipa dirigente. A “intensificação da programação cultural da Universidade do Minho” em “articulação com a sociedade” foi propósito também apresentado pelo reitor à nova presidente do Conselho Geral, que identificou como alguém que “tem conhecimento profundo da realidade” da instituição. Rui Vieira de Castro ressalvou como “marca da Universidade do Minho” a “abertura ao exterior, em permanente diálogo com organizações e instituições do nosso tecido cultural”.

Órgão de consulta do reitor e do Conselho Geral com elementos externos

O Conselho Cultural da Universidade do Minho é o órgão colegial de consulta do reitor e do Conselho Geral para as questões de política cultural. Tem como competência, genericamente, a emissão de pareceres sobre a política cultural da Universidade, assegurando a ligação com a comunidade, bem como a coordenação das actividades das unidades culturais. O primeiro presidente do Conselho Cultural foi Lúcio Craveiro da Silva, antigo Reitor da Universidade do Minho, seguindo-se no cargo José Viriato Capela, Ana Gabriela Macedo e Maria Eduarda Keating. Têm assento no Conselho Cultural os responsáveis das unidades culturais e unidades orgânicas de ensino e investigação, um representante dos estudantes e dez personalidades externas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.