Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Casa devoluta em S. Victor-o-Velho é considerado “caso de saúde pública”
Perto de 400 alunos transportados diariamente pelo School Bus

Casa devoluta em S. Victor-o-Velho é considerado “caso de saúde pública”

Ricardo Rio assume presidência da InvestBraga

Casos do Dia

2018-07-31 às 06h00

Miguel Viana

Casa tem sido ocupado por toxicodependentes, que acumulam lixo e já têm causado pequenos incêndios. Junta de Freguesia solicitou à Câmara Municipal de Braga que notifique o proprietário para limpar e vedar o acesso ao local.

Uma casa devoluta, situada na Rua de S.Victor-o-Velho, paredes meias com a antiga fábrica Confiança, está a preocupar os moradores e a Junta de Freguesia de S. Victor.
A casa, que apesar de ter porta é de fácil acesso, tem sido ocupada por toxicodependentes e já tem sido alvo de incêndios, que obrigaram à intervenção dos bombeiros, sendo que o último incêndio no local ocorreu em meados deste mês.
“As casas vazias são sempre susceptíveis de serem ocupadas por inquilinos indesejados. S. Victor-o-Velho tivemos várias queixas de vizinhos a alertar-nos para várias situações, sobre tudo ocupação ilegal do imóvel “, disse ao ‘Correio do Minho’, Ricardo Silva, presidente da Junta de Freguesia de S. Victor.

O autarca tem passado pelo local, acompanhado pelos agentes da PSP que fazem o policiamento de proximidade, “e o que temos feito é identificar quem está lá dentro”.
Ainda na passada sexta-feira, enquanto a reportagem do ‘Correio do Minho’ se encontrava no local, os agentes da PSP procederam à identificação de três jovens toxicodependentes que se encontravam no interior da casa.
Ricardo Silva revelou ainda que já solicitou à Câmara Municipal de Braga que proceda à identificação do proprietário da casa para vedar o espaço, incluindo o terreno das traseiras da casa.
“A parte de trás, para nós, é quase um caso de saúde pública, tendo em conta que o logradouro da casa está completamente tomado por lixo, inclusivé daquele perigoso, que tem a ver com residuos associados à toxicodependência. Interessa-nos que aquilo seja limpo e vedado o acesso”, frisou Ricardo Silva.

O autarca de S. Victor destacou que a situação já se mantém há muito tempo.
Um morador da Rua de S. Victor-o-Velho, que solicitou o anonimato, disse ser frequente ver toxicodependentes entrarem para a casa. “É um autêntico corridinho. Faz-se aí tráfico de ‘meia-noite’ mesmo. Tenho-me apercebido de muitas movimentações aqui”, destacou o morador.
A situação do terreno das traseiras também é, muitas vezes, tema de conversa entre vizinhos. “Eu nunca lá entrei, mas dizem que lá dentro tem muito lixo, muitas seringas. Lá por trás ainda é pior. Mas é sempre um corridinho. Há muita gente mesmo a vir aqui. É um entra e sai constante”, assegurou o morador.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.