Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Braga cria laboratório vivo para descarbonizar a cidade
Jogadores do SC Braga/AAUM visitam as crianças internadas na pediatria

Braga cria laboratório vivo para descarbonizar a cidade

“Póvoa de Natal 2018” anima o concelho

Braga

2018-07-22 às 12h00

José Paulo Silva

CÂMARA MUNICIPAL vota amanhã acordo de colaboração para a criação do ‘Braga Urban Innovation Laboratory Demonstrator (BUILD). Em dez meses pretende-se criar uma Laboratório de Inovação Urbana para melhorar o Ambiente na cidade.

Um dos principais pontos de congestionamento de tráfego automóvel na cidade de Braga vai funcionar em breve como laboratório vivo para a descarbonização. A Câmara Municipal, através de parcerias com a Universidade do Minho, o Centro de Computação Gráfica e o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL) pretende desenvolver e validar numa área de 14 hectares da freguesia de S.Vicente novas tecnologias, serviços e aplicações com vista a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e a intensidade carbónica.
No território delimitado pelas ruas Infantaria 8 e Areal de Baixo, Largo Monte d’Arcos, ruas D. António Bento Martins Júnior, Conselheiro Bento Miguel, Domingos Soares, Conselheiro, Januário e parte da rua de S. Vicente será implantado o BUILD (Braga Urban Innovation Laboratory Demonstrator), um dos 12 laboratórios vivos para a descarbonização apoiados pelo Ministério do Ambiente.
O acordo de colaboração para a implementação do BUILD é votado esta segunda-feira pela Câmara Municipal de Braga, defendendo o vereador do Planeamento, Mobilidade, Património e Regeneração Urbana que “a mobilidade é a área temática com maior impacto no cumprimento dos objectivos definidos”. Miguel Bandeira avisa que “o sucesso da operação depende do envolvimento do público escolar e do impacto das medidas de sensibilização previstas para a descarbonização do território e a adopção de práticas mais sustentáveis”.
Para além da Universidade do Minho, Centro de Computação Gráfica e INL como “parceiros científicos”, o BUILD conta com o envolvimento das empresas municipais TUB e Agere, da Braval e das juntas de freguesia de S.?Vicente e de S. Victor.
Embora incida na freguesia de S. Vicente, o BUILD contempla uma forte zona de influência em S.Victor.
A a?rea de intervenc?a?o do projecto representa um dos principais focos de congestionamento do tra?fego automo?vel, com constrangimentos que decorrem da sua localizac?a?o no primeiro anel de malha urbana de expansa?o da cidade e da concentração de va?rias escolas pu?blicas e privadas.
Assim, os mentores do BUILD entendem que “a mobilidade escolar constitui um factor decisivo de boa gestão do trânsito e da mobilidade da cidade com reflexos nas principais artérias e pontos negros da rede viária”, apontando o projecto ‘School Bus’, testado em Setembro, como a componente do Laboratório Vivo para a Descarbonização “com maior impacto na alteração de comportamentos de mobilidade”. O ‘School Bus’ é um serviço dedicado de transporte de alunos desde determinados pontos da cidade para as respectivas escolas.
Na área de implantação do BUILD, quase cinco mil alunos frequentam estabelecimentos de ensino, tendo a Câmara Municipal também ensaiado o ‘PeddyBus’, acompanhamento pedonal de alunos da casa à escola, com a identificação e demarcação de dois percursos e com recurso a adultos voluntários.
Dez meses é o tempo previsto para a implementação do BUILD (Braga Urban Innovation Laboratory Demonstrator), projecto com iniciativas nas áreas da mobilidade, economia circular e ambiente, energia e edifícios.
Uma das propostas basilares é criação de um Laboratório de Inovação Urbana (LIU), estrutura de experimentação composta por um centro de controlo e um centro de análise de dados ambientais.
Contando com a Universidade do Minho como parceiro estratégico, o LIU será, após o términus do BUILD, uma “estrutura autónoma” que servirá o concelho de Braga.
O centro de controlo do LIU receberá em tempo real dados captados por sensores e estações instalados na área do projecto BUILD, os quais serão reencaminhados para o centro de análise que fará o seu registo e elaborará simulações de fenómenos associados ao tráfego automóvel, níveis de CO2, consumos de energia e de água, qualidade do ar e ruído.
O LIU terá capacidade para desenvolver mapas dinâmicos de CO2, poluentes atmosféricos e ruído.
Avaliará também a descarbonização decorrentes das acções implementadas no âmbito do BUILD, gerando cenários dessa mesma descarbonização e de previsão de tráfego.
É ainda objectivo específico do LIU manter um sistema de sinalização e alerta para situações excepcionais de tráfego, poluição atmosférica e ruído.
O projecto BUILD prevê igualmente “soluções passivas e activas de eficiência energética na via pública e nos edifícios, bem como a criação de sistemas de autoconsumo e aproveitamento de água e resíduos orgânicos, envolvendo neste particular as empresas Agere e Braval.
Com um investimento global de 809 788 euros, o projecto BUILD conta com a Câmara Municipal como principal financiador, nomeadamente em equipamento e tecnologia a implementar no terreno.
Com a liderança deste projecto, os responsáveis municipais reconhecem “a necessidade de adoptar acções de mitigação que promovam a redução das emissões de gases com efeito de estufa, objectivo que passa, para além da criação de sistemas de de gestão e monitorização de informação, pela adopção de comportamentos mais sustentáveis e de menor impacto ambiental.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.