Correio do Minho

Braga, sábado

Amor serviu de tema a tela da artista Julie Passos
Câmara Municipal de Vila Verde distribui presentes de natal aos alunos do Jardim de Infância e do 1º ciclo do concelho

Amor serviu de tema a tela da artista Julie Passos

Um dos perigos do futuro é que a política vire religião

Braga

2018-08-09 às 06h00

Miguel Viana

OBRA integra I Bienal de Arte Sacra Contemporânea que decorre no Museu Pio XII até ao dia 3 de Setembro. Quadro retrata experiência vida pela artista plástica.

S. Francisco a ser lambido por uma cadela no Paraíso é a proposta de Julie Passos para a I Bienal de Arte Sacra Contemporânea, cujos trabalhos estão expostos no Museu Pio XII e na Torre de Santiago.
A obra surgiu de uma história particular vivida pela artista. “Ele retrata S. Francisco a receber uma cadela que existiu e morreu em Dezembro. A dona dela é uma amiga minha e ficou muito triste com a perda e eu fiz esse quadro para ela, que é o segundo da temática de S. Francisco com a Beta (nome da cadela), que foi uma maneira de mostrar para ela que está tudo bem, e foi recebida por quem mais gosta dos animais na figura da Igreja (S.Francisco)”, contou Julie Passos.
Acalmar as pessoas é precisamente o objectivo das obras da pintora de origem brasileira. “Gosto que as pessoas vejam o colorido que lhes arranque um sorriso, que as deixe bem. Gosto de passar essa imagem”, afirmou Julie Passos.
A pintora estabeleceu também a analogia entre a mensagem do quadro e a que foi pregada por Jesus Cristo.
“Às vezes ofendemos as pessoas ao chamá-las de cão, mas o cão está sempre amigo e na igreja a única pessoa que fez isso morreu pregada numa cruz. É a única pessoa que tem um amor incondicional por nós. É o amor mais puro. Está ali representado na figura da Beta e do S. Francisco, que é muito humilde”, considerou Julie Passos.
O quadro é feito em acrílico, com o uso de pincel e esponja.
Sobre a importância da Bienal, Julie Passos referiu que faz todo o sentido, já que Braga é uma cidade importante, a nível religioso.
“É um evento muito importante pela magnitude que tem. É a I Bienal Internacional de Braga, que é a cidade que é e foi a capital religiosa. Fazer uma bienal de arte sacra foi a atitude mais acertada”, declarou Julie Passos.
Os trabalhos dos vários artistas podem ser apreciados até ao dia 3 de Setembro, durante o horário de funcionamento do Museu Pio XII. A entrada custa dois euros.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.