Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Acesso à variante Sul está a concurso
Leitores da Biblioteca Municipal de Esposende celebraram Natal em festa-convívio

Acesso à variante Sul está a concurso

Festa de Natal anima mil idosos de 32 IPSS de Guimarães

Casos do Dia

2018-06-28 às 12h00

Miguel Viana

Projecto prevê um prazo de execução de 120 dias. Instabilidade do aqueduto existente no local é a causa do encerramento ao trânsito.

A Câmara Municipal de Braga já colocou a concurso público a reparação da ligação entre a Avenida Robert Smith e a Variante Sul, que se encontra encerrada `há vários meses ao trânsito automóvel.
Contactada pelo ‘Correio do Minho’, a autarquia bracarense, através do Gabinete de Comunicação, revelou que “está actualmente em curso o processo de contratação pública da empreitada.”
Questionado sobre as razões do encerramento ao trânsito, o município de Braga apontou que se tratam de “questões de segurança. Numa acção de inspecção de rotina ao aqueduto existente, constatou-se a existência de uma acentuada instabilidade estrutural do mesmo, que no entender dos técnicos do município poderá por em causa a sua estabilidade estrutural e consequentemente do pavimento rodoviário suportado. ”

Contudo, garante a Câmara de Braga, “foi já elaborado um estudo técnico especializado com vista à correcção das não-conformidades detectadas, que contemplará uma ampla intervenção estrutural. Estudo esse que, para além da sua complexidade técnica, exigiu a elaboração de estudos geológicos prévios que potenciaram, de alguma forma, algum atraso na conclusão do mesmo.”

O projecto da intervenção no local “prevê um prazo de execução dos trabalhos de 120 dias, podendo este prazo ser dilatado ou reduzido em função das condições climatéricas”, revelou a edilidade bracarense.
Certo é que a situação tem causado incómodos a automobilistas e moradores da zona.
“Estamos fartos disto. Por causa deste impedimento, temos que dar uma volta maior. Tenho fornecedores que para cá chegar tem de dar uma volta maior, quase mais dois quilómetros”, disse um comerciante da zona que não quis ser identificado.
Um dos moradores da zona , Pedro Correia, adiantou também que “o acesso cortado causa muitos incómodos a quem aqui mora, ou precisa de vir a esta zona. Em hora de ponta, formam-se longas filas de trânsito em direcção ao Largo do Espadanido. Há uma passagem por trâz do edifício redondo espelhado, mas muita gente não a conhece, porque não há qualquer indicação de percurso alternativo”, disse o mesmo morador.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.