Correio do Minho

Braga,

A Arte da Comédia candidata-se a conquistar Guimarães
António Variações deixa mensagem de resiliência

A Arte da Comédia candidata-se a conquistar Guimarães

Matteo Valente é vice-campeão mundial de juniores de Jet Ski

Vale do Ave

2018-03-12 às 13h13

Redacção

Estreia da primeira criação de 2018 do Teatro Oficina é apresentada a 23 e 24 de março no Centro Cultural Vila Flor

O final do mês de março brinda-nos com a estreia da primeira criação de 2018 do Teatro Oficina, A Arte da Comédia, uma peça sobre a importância do teatro... municipal. O espetáculo, com texto de Eduardo de Filippo e encenação de João Pedro Vaz, pisa as tábuas do Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor (CCVF) nos dias 23 e 24, sempre às 21h30.
 
A Arte da Comédia é um texto do comediante (e chefe de companhia) Eduardo de Filippo em que a bela representação e o disfarce parecem enganar os novos políticos locais, numa trama em que o virtuosismo dos atores é posto à prova e discutido o papel do teatro numa cidade de província. As personagens centrais são o ator/diretor da companhia de teatro local (interpretado por João Pedro Vaz) e o novo presidente da câmara nomeado pelo governo para gerir a cidade (interpretado por Valdemar Santos). É entre eles que se debate o papel do teatro municipal. Um espetáculo considerado ideal para início de mandato.
 
O restante elenco da nova criação da companhia de teatro de Guimarães é recheado por atores e atrizes pertencentes ao Gangue de Guimarães (artistas de artes performativas cartografados pelo Teatro Oficina que são provenientes de Guimarães ou com íntima relação com este território, encontrando-se espalhados pela cidade, pelo país e pelo mundo), entre estes Carolina Amaral, Diana Sá, Emílio Gomes, Gil Mac, João Ventura e Mário Alberto Pereira, contando ainda com a presença de Nuno Preto e as participações especiais de António Matos e Elvira Oliveira.
 
Depois de um ano intensamente participativo (2017), em que o Teatro Oficina abriu as portas para um novo ciclo de relação com o território, em 2018 a companhia de teatro de Guimarães quer investigar o que é essa arte do teatro de que todos falam com tanta propriedade. O ano em que se afirmou como o lugar de onde se vê o território serviu também para debater com centenas de pessoas qual pode ser a missão da companhia de teatro de Guimarães. Mas, segundo o diretor artístico do Teatro Oficina, João Pedro Vaz, faltou ainda partilhar aquilo que entendem e sabem de teatro, prometendo, em 2018, voltar ao princípio.
 
Criada a Rede Teatro Oficina, este ano estão prometidos mais projetos que ligam a companhia com os grupos de amadores de teatro, os artistas do Gangue de Guimarães, os alunos das Oficinas do Teatro Oficina (OTOs) e a Licenciatura em Teatro da Universidade do Minho. A formação estará também na ordem do dia, propondo-se a companhia de teatro de Guimarães a dar esse contributo e ser um laboratório teatral (ou performativo) permanente. Neste sentido, os maiores parceiros do Teatro Oficina, este ano, são a Programação Regular do CCVF e o serviço de Educação e Mediação Cultural, lugares do projeto cultural da Oficina onde a relação do território com as artes performativas explode.
 
Assim, a juntar a esta primeira criação do ano (A Arte da Comédia), o programa do Teatro Oficina para o ano de 2018 contempla outras duas novas criações, que contam novamente com a intervenção de atores e atrizes do Gangue de Guimarães e da Rede Teatro Oficina. A 08 de junho estreia Retábulos no âmbito dos Festivais Gil Vicente, uma criação a partir de Miguel de Cervantes. A terceira e última peça de 2018, Caixa Negra, apresentar-se-á ao público, famílias e escolas, em articulação com a Educação e Mediação Cultural da Oficina, a 09 e 10 de setembro, 07 e 08 de outubro, 04 e 05 de novembro e 02 e 03 de dezembro.
 
Na órbita da Rede Teatro Oficina, o ano de 2018 prevê um leque de atividades entre oficinas para diversas idades, formações, residências artísticas, bolsas de criação, leituras encenadas que interligam elementos do Gangue de Guimarães, alunos e ex-alunos da Licenciatura em Teatro da Universidade do Minho e que se desdobram entre o Espaço Oficina, o Centro Cultural Vila Flor, o Centro de Criação de Candoso e várias freguesias do concelho de Guimarães. De relevar, ainda, a Mostra de Amadores de Teatro que terá lugar durante o mês de outubro, resultado de uma convocatória aberta aos grupos de teatro de amadores do concelho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.