Cabeceiras: exposição alusiva à Guerra Colonial

Vale do Ave

autor

Redacção

contactar num. de artigos 18327

A inauguração da exposição ‘Comemoração dos 50 anos do Início da Guerra Colonial’, assinalou ontem, o programa festivo do 25 de Abril, em Cabeceiras de Basto.
Uma iniciativa na qual marcaram presença o presidente da Câmara Municipal, Engº Joaquim Barreto, os vereadores, Dr. Domingos Machado e Francisco Pereira, o presidente da Associação Portuguesa dos Veteranos de Guerra, Dr. Augusto Freitas, as administradoras da empresa municipal Emunibasto, Prof. Stela Monteiro e Drª Fátima Oliveira, demais autarcas, convidados e populares que se deslocaram à Casa da Cultura, associando-se assim, ao arranque das Comemorações do 25 de Abril.
Esta exposição, que estará patente ao público até ao próximo dia 16 de junho, integra um valioso espólio composto por filmes/documentários, bem como quadros fotográficos alusivos à guerra ultramarina. Além dos objectos de museu, como são aerogramas, rações de combate e outros materiais de cariz histórico, encontram-se alguns livros sobre esta matéria e uma listagem de todos os que perderam a vida ao serviço da Pátria. A mostra reporta-se assim ao período da Guerra que Portugal travou em África (Angola, Guiné e Moçambique) entre 1961 e 1974 e que contribuiu de forma decisiva para a eclosão da Revolução do 25 de Abril. Representa por isso um dos períodos mais marcantes da nossa história, referente à segunda metade do século XX.
No oportunidade, o edil cabeceirense, saudou os presentes que nesta tarde se associaram à abertura desta exposição que é sobretudo uma “homenagem a todos os Portugueses que partiram, às suas famílias e a todos os que regressaram” de uma Guerra que mobilizou milhares de jovens na década de sessente e cujo sentimento de frustação e revolta sentido, conduziu às revoltas que estão na génese da Revolução do 25 de Abril. Esta é por isso, uma exposição oportuna e pertinente que liga a Guerra Colonial ao 25 de Abril e revela um período da nossa história que não deve ser esquecido, pois perpassa gerações e marca a nossa memória coletiva. O autarca felictiou ainda a Associação Portuguesa dos Veteranos de Guerra, pelo apoio prestado aos ex-combatentes, mas também por guardar este espólio que recorda um período difícil, mas que faz parte da nossa história.
A abertura desta exposição ficou marcada por momentos de dança e música alusivas ao 25 de Abril, proporcionando ‘quadros’ de grande beleza e emoção.
O programa comemorativo do 25 de Abril, prossegue hoje, com a realização do XII Encontro de Cantigas da Liberdade, que nesta edição acolhe pela primeira vez a vertente de concurso. Ao todo subirão ao palco 27 grupos. O evento que acontece no Pavilhão Gimnodesportivo de Cavez, a partir das 14.30 horas, tem como principais objetivos proporcionar um espaço de convívio intergeracional aos diferentes grupos locais e celebrar a histórica da Revolução dos Cravos de 1974.
O programa tem o seu ponto alto no próximo dia 25 de abril com a Sessão Solene evocativa da efeméride e com a realização de várias provas desportivas que esperam atrair todas as faixas etárias da população.
Promovidas pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e pela Emunibasto, as Comemorações do 25 de Abril contam com a colaboração da Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto (ADIB), da Associação Humanitária dos Bombeiros Cabeceirenses e da Banda Cabeceirense.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Farmácias de serviço

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia