D. Jorge: visita do Papa foi experiência espiritual

Nacional

autor

Redacção

contactar num. de artigos 33264

Para D. Jorge Ortiga, a visita do papa Francisco a Fátima, na sexta-feira e ontem, foi “essencialmente uma experiência espiritual e, como experiência espiritual, é impossível fazer qualquer tipo de balanço”.
“Creio que isto entra só dentro dos desígnios de Deus e o principal aconteceu no coração das pessoas”, frisou o arcebispo de Braga, no final do almoço que reuniu o papa com os bispos e cardeais portugueses, à saída da Casa Nossa Senhora do Carmo, em Fátima.
Questionado sobre a mensagem deixada pelo papa em Fátima, o arcebispo de Braga realçou o facto de ele “ver Maria como mãe, mestra, por um lado, e modelo pelo outro”.
“Faz parte do seu paradigma pastoral, pedindo aos cristãos que sejam como que os braços de Maria para servir e para mostrar a ternura de Maria aos outros”, acrescentou.
Sobre o almoço, o arcebispo contou que o papa Francisco pediu desculpa por ter passado pouco tempo com os bispos portugueses durante a sua peregrinação a Fátima.
“Foi um almoço muito familiar, com uma palavra de saudação do cardeal patriarca e o agradecimento do Santo Padre. Ele manifestou a grande alegria em estar connosco e pediu, em certo sentido, desculpa por ter estado tão pouco tempo connosco”, revelou.
Segundo o prelado, a justificação foi de que “a visita foi essencialmente pessoal e mais dedicada ao povo de Deus e, por isso, não teve tempo para estar com os bispos”.
O bispo de Viseu, Ilídio Leandro, disse que Francisco pediu desculpa por os bispos terem sido os últimos a serem cumprimentados por ele.
“Achámos que era uma maneira muito jocosa de brincar connosco e agradecemos”, referiu.
Francisco saiu da Casa Nossa Senhora do Carmo às 14.20 horas, depois de ter almoçado com os bispos portugueses e para iniciar a viagem para a base aérea de Monte Real, numa altura em que começava a chover.
Segundo o bispo de Aveiro, António Moiteiro Ramos, o líder da Igreja Católica gracejou: “Eu parto e Portugal chora”.
José Sanches Alves, arcebispo de Évora, afirmou que o papa falou aos bispos a mesma mensagem, “muito bonita”, deixada ao povo português: “Nós temos uma mãe”, que “é mãe de todos nós”, e que, “com Maria, podemos caminhar tranquilos e serenos”.
Para o arcebispo, esta mensagem resume todas as outras transmitidas por Francisco durante a visita ao Santuário de Fátima, onde presidiu às cerimónias do Centenário das Aparições, que tiveram como ponto alto a canonização de Francisco e Jacinta.
Nas intervenções que fez em Fátima, Francisco deixou apelos à paz e à concórdia e lembrou os excluídos da sociedade e todos os que sofrem em consequência dos conflitos em vários países do mundo.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia