Correio do Minho

Braga, sábado

Somos Bibliotecas. Públicas. Municipais. De Todos.

Investir em obrigações: o que devo saber?

Voz às Bibliotecas

2016-12-29 às 06h00

Carla Araújo

Aproveito a pertinência do timing desta crónica para acabar o ano 2016 com o reforço de uma causa muito importante para quem quer, realmente, dar Voz às Bibliotecas. Refiro-me à campanha Somos Bibliotecas. Públicas. Municipais. De todos.

A campanha Somos Bibliotecas. Públicas. Municipais. De todos. é uma iniciativa da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), destinada à população em geral, utilizadora ou não das bibliotecas públicas municipais, mas consciente da sua importância para a sociedade e preocupada com a continuação e desenvolvimento de uma verdadeira Rede Nacional de Bibliotecas Públicas.

Esta campanha é, por isso, dedicada a todos(as) os(as) que acreditam na valorização do papel e da missão pública das bibliotecas e que estejam, por isso, disponíveis a as apoiarem.
A referida campanha, que pretende evidenciar junto da sociedade o papel das bibliotecas públicas em Portugal, tem como público-alvo a população em geral, quer seja ou não frequentadora de bibliotecas públicas, sendo baseada em diversos tipos de testemunhos, apresentação de serviços e atividades prestadas pelas bibliotecas públicas. O objetivo desta campanha é que tenha um efeito multiplicador junto da população, de modo a que se torne uma ferramenta chave de promoção, divulgação e apresentação das bibliotecas públicas portuguesas.

A página de apoio à campanha Somos Bibliotecas. Públicas. Municipais. De Todos. servirá como repositório de todos os materiais criados e recolhidos, como por exemplo vídeos, fotografias, testemunhos, opiniões, materiais gráficos ou outros, reunindo ainda diversos elementos chave para o cumprimento dos seus objetivos. Assim, está disponível uma aplicação de simulação de cálculo do valor da biblioteca, um mapa nacional interativo das bibliotecas públicas municipais portuguesas, uma petição dirigida à Associação Nacional de Municípios Portugueses e à Assembleia da República como forma de alertar para a situação atual das Bibliotecas Públicas Municipais nacionais e para solicitar a criação de um enquadramento normativo que defina requisitos mínimos para o funcionamento das Bibliotecas Públicas Municipais em Portugal.

E por falar em Portugal, a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) foi criada em 1986 e, graças a uma política continuada de vários governos, cobre hoje a quase totalidade do país, tendo modificado radicalmente a paisagem da leitura pública e do acesso à informação em menos de 30 anos.

Atualmente, pode-se afirmar que mais de uma geração de portugueses nasceu com uma biblioteca perto de casa e que, anualmente, mais de seis milhões de portugueses frequentam as cerca de 300 bibliotecas públicas municipais e usufruem dos seus serviços. Idosos, crianças, jovens e adultos folheiam livros e jornais, acedem à Internet, divertem-se a ver filmes ou a ouvir contar histórias, jogam e encontram-se e conversam com os amigos, fazem perguntas e obtêm respostas. As bibliotecas públicas municipais são espaços de informação e sociabilização, amigáveis e úteis aos cidadãos.

A campanha Somos Bibliotecas. Públicas. Municipais. De todos. apela a que os municípios e o governo central retomem a política de investimento continuado na Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, para que aqueles equipamentos possam continuar a assegurar um serviço público elementar de acesso livre e igual à informação, à cultura, à educação e ao lazer, tão especialmente necessário em tempos de crise.

Apoie, participe e assine a petição online em http://www.somosbibliotecas.pt/

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Bibliotecas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.