Correio do Minho

Braga, sábado

O Arboreto de Barcelos

Mercado de Trabalho em Portugal, uma visão crítica

Voz às Escolas

2018-04-09 às 06h00

Jorge Saleiro

A propósito do recentemente celebra-do Dia das Florestas, trazemos a este espaço um projeto singular que se desenvolve na Escola Secundária de Barcelos ou Escola do Rio, como é conhecida localmente. Trata-se do Arboreto de Barcelos.
O Arboreto de Barcelos, integrado na Escola Secundária de Barcelos, é um jardim botânico temático, pois inclui especificamente plantas lenhosas e porque se restringe à flora de Portugal continental. Iniciou a sua implantação quando, em 1985, ao ser entregue o novo edifício da Escola Secundária de Barcelos, se procurou dar resposta à questão da qualidade paisagística e educativa que deveria ser dada ao ajardinamento do novo espaço.
Foram ponderadas diversas soluções: um jardim vulgar que apresentaria, apenas, interesse paisagístico, sem qualquer utilidade educativa; ou um jardim botânico clássico que apresentaria exigências de ordem técnica e financeira, incomportáveis para o orçamento de uma Escola Secundária.

Procurou-se, então, uma resposta inovadora que pudesse conciliar um projeto escolar que fosse educativo e científico com os recursos humanos, técnicos e financeiros ao alcance de uma escola.
E assim nasceu um jardim botânico temático. Este novo jardim passaria a comportar árvores, arbustos e subarbustos autóctones de Portugal Continental e, posteriormente, viria a ser enriquecido com algumas plantas herbáceas nativas, raras, invulgares ou em risco de sobrevivência na Natureza, incluindo roseiras, orquídeas selvagens e cogumelos.
Inicialmente designado por Arboreto de Flora Autóctone de Portugal Continental passou a ser designado por Arboreto de Barcelos, quando a Câmara Municipal, em reconhecimento do seu interesse público, passou a estar associada ao projeto.

Em 1986/1987, o Arboreto entrou em funcionamento, começando a ser plantado sob a liderança do seu criador, o professor João Lourenço, tornando-se, a cada ano que passava, cada vez mais rico em espécies, acabando por tornar-se na maior coleção de subarbustos, arbustos e árvores de Portugal continental.
Em 1992 foi oficialmente inaugurado pelo então Ministro da Educação, Couto dos Santos, ficando clara a consagração do Arboreto de Barcelos como um projeto único pela sua coerência, riqueza e singularidade, bem como pela sua relevância pedagógica e didática e de instrumento de sensibilização ambiental.

Em 2009, o Arboreto de Barcelos e o seu criador, João Lourenço, foram distinguidos com o Prémio Nacional do Ambiente Fernando Pereira, outorgado pela Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente, numa cerimónia em Lisboa, na qual o Professor Doutor Jorge Paiva, amigo e consultor do Arboreto, fez o louvor público do valor científico e didático deste projeto.
De imediato, surgiu novo desafio para o Arboreto de Barcelos. A Escola Secundária de Barcelos iria ser requalificada pela Parque Escolar e seria necessário equacionar o novo enquadramento do Arboreto. Na verdade, a nova edificação foi condicionada à estrutura do Arboreto, tendo sido possível aumentar a área de implantação do projeto, criar um espaço próprio e uma nova estufa pedagógica.
O Arboreto de Barcelos irá continuar a afirmar-se como projeto singular, de qualidade, procurando consolidar o valor científico e didático que sempre estiveram presentes desde a sua génese.
Fica, ainda, a informação de que este espaço pode ser visitado pelo público, com possibilidade de visita guiada, com enquadramento técnico e científico, mediante marcação.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

12 Novembro 2018

Realidade Complexa

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.