Correio do Minho

Braga, quarta-feira

“Ora bem, o senhor tem o fígado gordo!” - esteatose hepática

Mundo rural e os BIORESÍDUOS, o caminho da sustentabilidade

Voz à Saúde

2015-10-27 às 06h00

Catarina Gomes

A esteatose hepática, também conhecida como fígado gordo, é o resultado da acumulação de triglicerídeos e outras gorduras no fígado. Os triglicéridos são a forma de gordura mais comum no nosso corpo, sendo utilizados para fornecer energia para o organismo. Os triglicéridos estão presentes em vários alimentos comuns da nossa dieta (refrigerantes, queijos, alimentos fritos…), mas a maior parte costuma ser produzida pelo nosso fígado.

Uma das causas mais comum de esteatose hepática é o Síndrome Metabólico (junção de Hipertansão, obesidade e diabetes, colesterol elevado no sangue), que ocorre com aumento dos triglice-rídeos. Outros fatores também podem contribuir para a esteatose hepática como o consumo excessivo de álcool, alguns medicamentos, a gravidez, a Diabetes ou outros problemas de saúde.

A esteatose hepática normalmente não provoca sintomas, contudo quando esta é muito intensa e prolongada pode danificar as células do fígado e resultar em inflamação, chamada de esteato-hepatite, que pode originar sintomas como fraqueza, perda de apetite, náuseas ou dor abdominal e em alguns casos pode mesmo resultar em icterícia (cor amarela da pele).

O médico pode desconfiar da existência de fígado gordo através das alterações nas análises do sangue, em que os doentes apresentam triglicerídeos e enzimas hepáticas aumentadas. A ecografia abdominal, também levantam a suspeita da doença. O único método capaz de confirmar a presença de esteatose e diagnosticar a esteato hepatite (fígado com inflamação) é a biópsia do fígado, realizada apenas em alguns casos particulares.

Não existe uma medicação para tratar este problema, no entanto este pode reverter com algumas alterações no estilo de vida, nomeadamente: a redução do consumo de álcool, a perda de peso, a redução da ingestão de comidas hipercalórias e ricas em gorduras e o início da prática de exercício físico.

Como referido anteriormente, a esteatose hepática pode resultar numa inflamação do fígado que pode evoluir para cirrose e posteriormente para cancro. Contudo, a esteatose hepática é uma doença que tem prevenção, por isso, é necessário preveni-la, controlando os níveis de açucar no sangue e tratando a Diabetes se for o caso, tendo cuidado com a ingestão de alimentos que devem ser menos ricos em gordura, evitando a ingestão de bebidas alcoólicas e praticando exercício físico. Cuide de si, Cuide da sua saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.