Correio do Minho

Braga,

- +

Jornais

A Sueca

Jornais

Escreve quem sabe

2019-10-20 às 06h00

Cristina Fontes Cristina Fontes

Os jornais são, ou deveriam ser, exemplos de bom português. Todavia, passando os olhos por vários, encontramos alguns erros inexplicáveis, sobretudo hoje que temos ao nosso dispor vários dicionários e glossários em rede.

Numa notícia do Correio da Manhã, lemos “A PÉ PELOS PIRINÉUS - O português João Paulo Rocha, 35 anos, que está a realizar a travessia a pé dos Pirenéus, (…)” (em https://www. cmjornal.pt/portugal/detalhe/a-pe-pelos-pirineus, acedido em 17/10/19).
Na verdade, devemos escrever “Pirenéus” quando nos referimos à cadeia de montanhas que separa a Espanha da França. “Pirinéus” é, surpreendentemente, um erro bastante encontrado nas páginas de agência de viagens ou de operadores turísticos (ver aqui: http://www.espiritoviajante. com/visitar-os-pirineus-dicas-roteiros-trekking/ ou aqui: https:// www.logitravel.pt/viagem/europa/espanha/pirineus-catalaes/ ).

Já o Record transcreve uma frase de Ricardo Pereira com um erro ortográfico na palavra “privilégio” - “É um previlégio voltar à Selecção Nacional” (sic) (em https://www.record.pt/modalidades/hoquei-em-patins/detalhe/ricardo-pereira-e-um-previlegio-voltar-a-seleccao-nacional, acedido em 17/10/19). Trata-se de uma palavra que deriva da forma latina “privilegiu” e escreve-se “privilégio”.

O Jornal de Notícias, por sua vez, titula “Safina, a raínha da relva artificial”, acentuando graficamente a palavra “rainha” (em https://www.jn.pt/ micro-sites/fazemos-bem/noticias/safina-a-rainha-da-relva-artificial-4091695.html, acedido em 17/10/19). Aqui, a semivogal [i] é seguida do dígrafo [nh] da sílaba seguinte, que a torna nasalada, não havendo lugar a acento gráfico.

Incompreensivelmente, a WOOK e a Bertrand Livreiros, nas suas páginas online, publicitam o livro A Rainha das Aves, de Helen Ward com erro de acentuação na palavra “rainha” - A Raínha das Aves, de Helen Ward; (Wook em https://www.wook.pt/livro/a-rainha-das-aves-helen-ward/59232, acedido em 17/10/19) e A Raínha das Aves, de Helen Ward (Bertrand Livreiros em https://www.bertrand.pt/livro/a-rainha-das-aves-helen-ward/59232, acedido em 17/10/19).
Atente-se, também, em “ventoinha”, “bainha”, “campainha”, “tainha” ou “moinho” que seguem a mesma regra. Por outro lado, levam acento agudo o [i] e o [u] que não formam ditongo com a vogal anterior, e que não formem sílaba com [r, l, m, n, z] ou não sejam seguidos do grupo consonântico [nh], como em “proíbe”, reúne” ou “saúde”.

O Jornal de Negócios afirma, na sua edição online, que “o plano (de recuperação e saneamento do Banco Privado Português) permite evitar um esforço financeiro bastante mais vultuoso por parte do Estado” (em https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/administraccedilatildeo_da_privado_holding_aprova_plano_de_recuperaccedilatildeo_do_bpp, acedido em 17/10/19). O jornalista deveria ter escrito “vultoso” em vez de “vultuoso”. Este é, aliás, outro erro muito recorrente.
Na verdade, ambas as formas existem, mas “vultuoso” nada tem a ver com algo volumoso ou de grandes dimensões, mas sim com “vultuosidade”, um termo médico referente a face ou lábios vermelhos e inchados. Logo, alguém que sofra desta patologia tem o rosto “vultuoso”, do latim “vultuosus”. Por seu turno, “vultoso” é uma palavra derivada por sufixação. Adicionamos o sufixo “-oso” (que encerra a ideia de quantidade, qualidade ou presença) ao nome “vulto”. Outros exemplos de adjetivos criados com o mesmo prefixo são: “oleoso”, “sedoso”, “idoso” ou “guloso”.

Por fim, reproduzo um título do jornal Público: “Um outro olhar açoreano” (em https://www.publico.pt /2000/04/17/jornal/um-outro-olhar-acoreano-142734, acedido em 17/10/19). Ora bem, embora se escreva “Açores”, os habitantes do arquipélago são “açorianos” e não “açoreanos”. A palavra “Açores” não tem [i], mas termina em [e] átono -neste caso seguido de [s]-, pelo que se acrescenta [i] ao sufixo “–ano” (tal como em cabo-verdiano). Porém, os nossos compatriotas insulares também são conhecidos por “açorenhos” ou “açorenses” (ver Dicionário de Gentílicos e Topónimos em http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=toponyms&act=list&search=a%C3%A7ores).

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.