Correio do Minho

Braga,

A Depressão é um estado emocional que nos faz perder a vontade de viver

Transtorno obsessivo compulsivo por compras: Oniomania

Voz à Saúde

2016-04-12 às 06h00

Ana Paula Silva

A depressão é uma perturbação de humor que não deve ser confundida com sentimentos tristeza que passam com o tempo, normalmente reactivos a circunstâncias da vida.
A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais frequentes que provoca sofrimento para o doente e para os que o rodeiam. Prejudica o funcionamento global, perturbando significativamente o rendimento no trabalho, na vida familiar e social.
O seu diagnóstico passa muitas vezes despercebido, por falta de reconhecimento da depressão como doença ou porque os sintomas são atribuídos a outras causas, levando à desvalorização destes e da pessoa que os apresenta.

Quando a intensidade dos sintomas é menor, os doentes conseguem, aparentemente, funcionar normalmente, mas a sensação contínua de fadiga, tristeza, desinteresse e tensão provoca um grande desgaste. Dia após dia acumulam-se emoções negativas até entrar num estado de incapacidade, sem recursos mentais nem energia para estabelecer objetivos orientados para o bem estar. Convêm salientar que as pessoas que não conseguem ultrapassar as dificuldades do passado não são frágeis, o que aconteceu é que sentiram um nível excessivo de dor ou medo nessas vivências,

Prevalência
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 121 milhões de pessoas sofrem de depressão no mundo (estima‐se que 1 em cada 5 pessoas tenha sofrido ou vá sofrer de depressão durante a vida). A depressão é a quarta principal causa de incapacitação no mundo e, de acordo com projeções da OMS, em 2030 ela será o mal com maior prevalência mundial.
A depressão não escolhe idades, nem género (apesar da sua prevalência ser ligeiramente superior nas mulheres) e pode durar desde meses a anos.

Origem
A depressão é referida como uma doença multifatorial, por apresentar causas diversas:
- Tendência familiar (predisposição genética).
- Desequilíbrio hormonal.
- Patologias neurológicas, infeciosas ou oncológicas.
- Efeitos secundários de medicamentos.
- Relações com o meio e, em particular, com os pais/educadores ao longo do desenvolvimento.
- Acontecimentos traumáticos da vida, problemas familiares, stress diário, doenças, crise financeira, conflitos interpessoais prolongados….
- O tipo de personalidade e o estilo de vida, podem também correlacionar-se com uma maior predisposição para crises depressivas.

Sintomatologia
O reconhecimento dos sintomas e o diagnóstico em fase inicial ajudam a ultrapassar com maior sucesso uma depressão. O psicólogo deve ter em conta todos os sinais (observáveis) e sintomas (descritos pelo doente).
Por vezes não aparece, inicialmente, sintomas emocionais, mas sim físicos como a fadiga, dores, pressão no peito, insónia, o que leva o doente e o médico a pensarem noutro tipo de doença, dificultando o seu diagnóstico.
Em geral, o doente está deprimido quando apresenta 5 ou mais dos seguintes sintomas num espaço de pelo menos duas semanas, na maioria dos dias e quase todos os dias, representando mudanças no funcionamento prévio do indivíduo.
• Humor deprimido (ex.: sente-se triste, vazio ou sem esperança)
• Acentuada diminuição do prazer ou interesse em todas ou quase todas as atividades.
• Perda ou ganho de peso acentuado sem estar em dieta ou aumento / diminuição de apetite.
• Insónia ou hipersónia.
• Agitação ou retardo psicomotor.
• Fadiga e perda de energia.
• Sentimento de inutilidade, culpa excessiva ou inadequada.
• Capacidade diminuída de pensar, concentrar-se ou indecisão.
• Pensamentos de morte recorrentes, ideação ou tentativa de suicídio.

Tratamento
A depressão é uma situação clínica que não pode ficar sem tratamento adequado, sob o risco de se tornar crónica.
Existem meios para tratar a depressão e evitar as recaídas, onde se inclui a farmacológica (uso de antidepressivos que requer acompanhamento psiquiátrico) e a psicoterapia (aquisição de competências de auto-gestão).
No caso da psicoterapia o psicólogo procura em conjunto com o paciente os fatores predisponentes, precipitantes e de manutenção, aumentando a consciência e clareza do problema em questão. Uma intervenção eficaz passa pela alteração da perceção das memórias e representações mentais das experiências perturbadoras.

Prevenção
Partilhar os sentimentos e pensamentos com amigos e familiares.
Combater a falta de vontade de sair, de conversar e conviver.
Ter uma alimentação saudável e equilibrada. Consuma alimentos que ajudam a combater a depressão, tais como: cereais integrais, mel, fruta (ex: banana, abacate, limão), carnes magras, peixes azuis (ex: atum); frutos secos (ex: nozes, amêndoas) iogurtes e queijos.
Escolher atividades físicas que goste para manter-se ativo, divertir-se e conviver.
Descansar e regular o seu sono (8 h/noite);
Apanhar sol.
Evitar as situações causadoras de stress ou desconforto.
Planear com antecedência as tarefas diárias.
Manter a calma, utilizando técnicas de relaxamento.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz à Saúde

30 Outubro 2018

Como combater o AVC

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.