Correio do Minho

Braga, sexta-feira

House of Trees e Maud the Moth na Casa das Artes de Arcos de Valdevez

Bragafado sobe ao palco do Theatro Circo

Música

17 Maio 2013

Situada nas profundezas da floresta sueca, a casa é um paraíso escondido, um local onde, se ninguém falar, ouvimos somente o som de pássaros, um rio e o vento uivante entre as árvores.

Existe também o som da música…
House of Trees (H.o.T) é uma banda liderada por Rob Coe; como cantautor, Rob explora, caça e recolhe, perfeitamente, uma miríade de modos de vida, os seus pensamentos, os seus sonhos, os seus lugares e a sua gente; todos têm um papel fundamental nas suas melodias, frequentemente míticas e de encantar, que podemos ouvir no álbum de estreia “Come to the Woods”. Como em qualquer boa árvore, o rebento (um homem e a sua guitarra) desenvolveu ramos e folhas em forma de músicos: Djamila Skoglund Voss (voz), James Carnell (congas), Henrik Engström (flauta) e Simon Fäldt (trompete).

Como live act o grupo adapta-se ao ambiente do concerto: umas vezes como duo, como é o caso desta apresentação em Arcos de Valdevez, outra como trio, ou em forma de banda completa; a atmosfera e emoção dos seus concertos são como uma boa casa: é quente e acolhedora por dentro, mas no exterior o vento e a escuridão batem à porta…

Maud the Moth é o alter-ego da cantora e pianista madrilena Amaya López-C, que após passagem por vários grupos do underground madrileno, dá com o seu LP “home futile home” o tiro de partida para um percurso solitário.

As paisagens e emoções plasmadas nas suas canções são dificilmente definíveis, em termos estilísticos, para esta autora de formação clássica, mas com grande gosto pelos sons mais escuros, sujos e intensos. Maud the Moth explora, neste primeiro trabalho, a composição narrativa que, bebendo no jazz, no pós-rock e no soul, entre outros, desenvolve num peculiar e pessoal estilo de excesso e intensidade vocal, que sempre definiram a cantora. Influenciada, entre outros, por Debussy, Michel Camilo, Tool, Julie Christmas ou Amanda Palmer, consegue filtrar através das suas canções universos de um comovente silêncio, ou de uma ira explícita entrincheirada por detrás do teclado.

Após ter captado a atenção da imprensa especializada e de ter recebido excelentes críticas, Maud regressa em 2013 com o seu segundo álbum, que agora apresenta na Casa das Artes arcuense.


QUANDO
17 Maio 2013
ONDE
Casa das Artes Arcos de Valdevez - auditório, Arcos de Valdevez
QUANTO
3€
HORAS ESPECTÁCULO
22H00

Deixa o teu comentário

Últimas Música

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.